Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

28
Mai22

Fui ao Casal dos Galegos e fiquei com a Painça cheia de castanhas do Marachão


João Silva

Este título surge na sequência de um treino que fiz há já algum tempo mas que foi maravilhoso. 

Foi um treino tão bom em termos de sensações que não podia deixar de brincar com o nome das terras por onde passei. Aquela foi mais uma forma de me aproximar de Montemor-o-velho.

A partida teve lugar em minha casa, em Condeixa-a-Nova.

Tudo isto serviu também o propósito de "testar as águas" para chegar à Figueira da Foz.

Mas essas são outras cantigas.

Aqui importou o prazer que tive ao correr por caminhos diferentes do habitual.

Para efeitos de trocadilho, alterei a ordem de aparecimento das terras, tendo em conta que parti de Condeixa.

Screenshot_2021-07-03-08-12-44-748_com.runtastic.a

A título de curiosidade, para quem não conhece, aqui fica o nome de algumas terras por onde passei até voltar a entrar em casa (não memorizei todos): Condeixa, Cartaxa, Casal da Estrada, Venda da Luísa, Rapoila, Belide, Figueiró do Campo, Nera, Marachão, Painça, Casal dos Galegos, Casével e Sebal.

21
Mai20

A falta que faz


João Silva

11 de março foi o último dia em que corri ao ar livre. Mais de dois meses e já nem sei o que é pôr os pés no asfalto e voar sem destino por tempo ilimitado. 

Não sou diferente de ninguém, nem sequer me estou a queixar por ter tido de ficar em casa, numa primeira fase, devido à situação de quarentena. Chama-se respeito pela minha vida e pela dos outros, ao contrário de muitos que escolheram continuar como se nada fosse. Negacionistas, I say. Ainda assim, aos poucos, as coisas estão a encarreirar e todos estão a a criar uma nova realidade.

Depois da mudança forçada de metodologia de treinos, sendo curioso o facto de ter começado a treinar ainda mais no tempo em que estive sempre em confinamento, entrei numa limitação diferente. No fundo, era aquela com que já contava desde agosto de 2010: a paternidade.

Agravada pela situação pandémica que vivemos, a saudade e a falta cresceram.

Mas saudade e falta de quê?

Daquilo que se tornou o meu ponto de equilíbrio nos últimos três anos e meio (celebrados há dois dias).

De sair de casa com as sapatilhas calçadas e de sentir o fresco e o quente no corpo. 

De subir a primeira "ladeira" de Condeixa.

De passar junto à escola e ao estádio e de praguejar com tanto carro a passar. 

De ouvir os apitos de conhecidos l. 

De dizer olá ao senhor que passeava o cão todos os dias e que já me conhecia há mais de 3 anos. 

De seguir para Alcabideque e de passar pelo velhinho pastor alemão que guardava um terreno. 

De cruzar o Bom Velho de Cima a arfar e de descer pelo lado oposto, no IC3 rumo a Condeixa.

De subir pela Casa telhada, sem viv'alma por perto, e de ver a raposa ao longe a fugir.

De sentir o ar puro da estrada de Alcabideque.

De subir ao Casal da Légua depois de ter descido pela Venda. 

De tudo isso sinto uma falta de "morte".

Enquanto pude, treinei o mais que deu, portanto, nem sequer é um lamento. Fui um privilegiado em relação a muitos e não descuro isso. 

Porém, constato uma falta que sinto: correr.  Faz-me mesmo muita falta.

IMG_20191212_082903.jpg

 

13
Jan20

O percurso quer-se duro


João Silva

IMG_20190602_085231.jpg

 

 

Esta afirmação pode vir a morder-me é pela boca morre o peixe. É sempre a mesma coisa.
Ainda assim, assumo destemido esse lema e digo-vos claramente que não me apraz mesmo nada fazer provas com percursos totalmente planos, o que, supostamente, redundar num maior nível de facilidade.
Frequentemente, isso é feito para facilitar a conquista de tempos e para chamar um maior número de pessoas.
Percebo mas não concordo.
Uma das provas mais duras que fiz foi a da Venda da Luísa em novembro de 2019 e adorei-a precisamente pelas dificuldades.
A maratona de Aveiro também foi um bom exemplo disso.
Ou mesmo a São Silvestre de Coimbra.
São as dificuldades que nos fazem chegar mais longe e é um pouco a teoria de passar o Cabo das Tormentas para depois ser feliz.
A questão é polémica, mas gostava de saber o que acham. Até mesmo porque a questão de provas planas pode ser uma falsa questao: experimentem correr 2 km seguidos em zona totalmente reta e depois digam-me se é fácil. Ainda assim, prefiro irregularidades no percurso.

Dureza, portanto.

IMG_20190602_090210.jpg

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub