Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

20
Jun21

Lá bem longe em conjunto


João Silva

Este último ano é meio tem sido bem propício a memórias.

Sendo alguém que gosta muito de encontrar paralelos e ligações em tudo o que o rodeia, dou por mim a navegar muitas vezes no meu tanque à procura de memórias que liguem a minha paixão pela corrida ao meu passado.

O meu pai foi corredor. Quando nasci, já ele tinha deixado o atletismo.

Portanto, não deve ter vindo daí. 

Ainda assim, recordo-me bem de um dos poucos treinos de corrida que fiz na minha adolescência. Na verdade, só tenho memória de três. Curiosamente, um deles foi com o meu pai.

Eu, ele e um colega da terra. Não sei quanto tempo andámos a desbravar mato, mas sei que gostei imenso de passar pelos pinhais e que, por outro lado, não podia com uma gata pelo rabo (era cheiinho), que detestei a corrida na areia solta e que, muito curioso, queria que aquilo acabasse bem depressa.

Quem diria que, muitos anos mais tarde, ficaria um apaixonado por corridas e, melhor ainda, por longas distâncias?

received_315007259175609.jpeg

 

04
Jun21

Velho? Velho??


João Silva

Trago-vos um belo episódio em que estive envolvido há pouco tempo. 

Como é hábito, estava a terminar o meu treino de reforço muscular no passeio do prédio onde habito. Como sempre também, chega o padeiro de um dos vizinhos.

Tirando o louvável "bom dia", nunca tinha metido conversa. Até àquele dia.

"Então, já está para hoje", pergunta.

"Sim, sim, para hoje está feito. Amanhã há mais", retorqui.

"Foram quantos?

"Hoje foram 15." (o treino tinha sido péssimo).

"Numa hora e meia?", insistiu

"Sim."

"Então, está bom. Mais é que não se pode, diz que faz mal."

"Ao fim de semana faço bem mais, cerca do dobro, e nunca me senti mal", procurei ripostar.

"Pois, mas com o aumentar da idade não é suposto correr mais. Faz mal." E foi embora.

E eu fiquei ali na rua meio atordoado e a pensar no que diriam as pessoas com mais de 50 anos que correm maratonas e trails endurance. 

Subi as escadas e depois caiu a ficha:

" pera aí!! Ele chamou-me velho. Velho!!!".

Ó homem, ainda nem 33 anos completei (dentro de pouco tempo)!!! (esta devia ter sido a resposta).

received_404396380447226.jpeg

 

06
Mai21

O maluquinho dos braços abertos


João Silva

Já viram aquela cena típica de filme em que alguém levanta os braços ou fecha os olhos de cada vez que se sente feliz ou grato por algo?

IMG_20190627_153254.jpg

Confesso: faço muitas vezes isso. 

É uma forma de sentir a natureza que me rodeia a tocar no meu corpo, sou eu a sentir-me grato por poder correr, por poder respirar e ter nos olhos aquelas belas paisagens. Seja dia, seja noite. Faça chuva, sol ou céu estrelado ou nublado. 

Bem sei que parece lamechas. Para quem vê de fora, ao longe, sou só o maluquinho dos braços abertos. Mas sou um maluquinho tão feliz naquele instante. Uma espécie de criança num corpo de adulto!

E quanto mais envelheço, mais abro os braços! 

29
Abr21

Estais vivo, senhor?!


João Silva

FB_IMG_1561406758105.jpg

Quando passei pela fase mais intensa do emagrecimento, perdi a camada adiposa que me protegia do frio. Desde 2016 que rapo um frio desgraçado, porque o meu calor se dissipa rapidamente. 

Ora, há algum tempo (talvez entre janeiro e Fevereiro), num dia de temperaturas rondar o zerinho e após um treino intenso, tive de me deslocar à Segurança Social da minha terra.

Quando lá cheguei, mediram-me a temperatura para saberem se me podiam deixar entrar.

Nenhuma das três medições deu resultados. Nada, parecia que estava morto. E não, aquilo não estava avariado. Quem entrou ao mesmo tempo apresentou temperatura.

Lá me deixaram entrar, não sem antes fazerem a piada do  "você está morto, homem!"

Agora que estamos no bem bom da primavera isso não me afeta, mas os meus invernos roçam a hipotermia muitas vezes.

Mas estou vivo! 

30
Ago20

Supostas técnicas para o (me) adormecer


João Silva

Nota explicativa prévia: nos últimos anos, desenvolvi uma espécie de bebedeira de sono. Quando atinjo um determinado nível de cansaço, o corpo deixa de me obedecer e começo a adormecer, seja qual for a tarefa que tenho em mãos. Sim, há sinais, mas regra geral aterro num instante.

Ter um filho não é outra coisa que atingir um nível elevado de cansaço. Juntamos a tudo isso, o trabalho, a casa e os treinos. Nada de especial em relação às outras famílias, mas, tocando-nos a nós, têm sempre um sentido mais especial.
Portanto, terminada a nota prévia, o longo dos últimos quatro meses (feitos hoje), foi necessário virar técnico especializado em adormecimento... A ideia era que o fosse para o meu filho, mas a verdade é que muitas foram as vezes em que apliquei o manancial de estratégias e em que, ao fim de um belo bocado, fui eu quem começou a adormecer.
Ja aqui falei nos agachamentos e lunges como exercícios mais intensos para meter o Mateus a ver estrelinhas. A tudo isso, juntam-se as músicas inventadas à última hora, os embalos lentos acompanhados por palmadinhas suaves no rabito e, era aqui que queria chegar, as caminhadas intermináveis em marcha à frente e em marcha atrás pelo quarto, de preferência, a altas horas da noite.
Encosto-o ao meu peito, bem aninhado, e lá vou eu fazer quilómetros de embalo, aproveitando para lhe pedir (por vezes, encarecida e desesperadamente) que adormeça. Ele deve prestar tanta atenção a isso que muitas são as vezes em que acabo eu a adormecer com ele ao colo.
Sim, tem tanto de cómico quanto de assustador, porque desligo mesmo.
Aliás, recordo-me muitas vezes de um episódio em que adormeci a passar a ferro ou de outro em que o tinha nos braços, comecei a fazer da cintura um pêndulo, acabei por ter de o passar à mãe já que as portadas (=pestanas) já estavam a fechar.
No fim de contas, a cereja no topo do bolo veio em algumas noites em que a mãe lhe cantou belas cantigas para adormecer e fui eu quem acabou embalado com os olhos cerradinhos...
Passam hoje 4 meses desde que comecei a adormecer muito mais vezes e de forma inconsciente. Foram os 4 meses mais desafiantes da minha vida. Venham mais, muitos mais... Cá estarei, se não adormecer pelo caminho.
Se assim for, ele manda-me dois berros e mete-me em sentido.

received_305098307310084.jpeg

 

17
Jul20

De pequenito se aprende o manguito


João Silva

Ainda nem tem voz ativa na sociedade e já manda.

Sim, falo do meu pequeno. Certamente que todos os pais têm destas particularidades com os seus rebentos, mas não deixou de ser um aspeto que despertou a miha atenção: desde tenra idade, ainda nem uma semana tinha feito, o pequeno Mateus começou a presentear-nos com o levantamento (involuntário, claro) de um determinado dedo do meio.

Foi, pois, desde muito cedo que começou na arte do belo manguito.

received_611610626122671.jpeg

E que bem que a domina. Parece-lhe "natural".

Volta e meia, dizíamos algo como "dorme, filho, não precisas de lutar contra o sono".

Ele esboçava um sorriso do alto da sua capacidade reflexiva e junto à cintura lá havia uma mão com o dedo do meio a mostrar que estava completamente de acordo com o que lhe estávamos a dizer.

 

11
Jun20

É de pequenino...


João Silva

received_584277775530482.jpeg

Nunca gostei daquelas frases feitas do "vai ser como o pai" ou "vai ser como a mãe". Vai ser o que ele quiser e como quiser, sempre na condição de mostrar respeito pelas pessoas.

Ainda assim, neste pouco tempo de vida, o Mateus já mostrou que o desporto não lhe será indiferente.

Logo ao terceiro dia da sua estadia em casa, numa daquelas tentativas loucas de acalmar a berraria vinda daqueles pulmões mais potentes que os de um nadador, saquei de uns lunges e de uns agachamentos com ele ao colo.

Gostou de tal forma que começou a acalmar. Daí a pouco tempo estava a dormir. 

Fiquei logo todo vaidoso. Daí a uns dias, acabou-se a magia e agora, mais do que o pôr a dormir permanentemente, estes exercícios só servem para o acalmar.

É verdade que o efeito diminuiu, porque o rapaz descobriu cedo que tem inteligência, mas não é menos verdade que caminhar e fazer agachamentos e lunges pela casa em plena madrugada ainda ajuda a acalmar. 

Além destes, experimentei ainda os levantamentos de Mateus com os braços. Também acalma, mas dormir que é bom parece uma quimera para um rapaz que esbugalha os olhos e dá uma tareia ao sono.

Ainda assim, não se perde tudo, porque isso permite-me fazer exercício físico e, melhor ou pior em tudo isto, não são assim tão poucos os minutos. 

13
Mai20

Foi tão curto mas soube tão bem


João Silva

No passado dia 27 de março, acompanhei a esposa a mais uma consulta de maternidade.

Perante o impedimento de entrar no Centro de Saúde devido ao Covid-19, acabei por ficar "à porta".

Ora, apesar da pandemia, decidi que ia aproveitar aquele tempo de espera para treinar um pouco ao ar livre.

Não sou mais do que os outros e estava de perfeita consciência comigo. Já não saía de casa desde o dia 12 de março e, sempre com cuidado para não me aproximar de pessoas e para não tocar em nada, lá consegui fazer 25 minutos de corrida e de exercícios. O espaço é recatado e bem "abastado". Ou seja, não precisava de ocupar a área de quem lá passasse. Em bom rigor, dada a necessidade de ter atenção, sempre que via alguém no passeio, mantinha-me alerta.

Posso revelar-vos que me senti uma criança novamente, de tão feliz por poder fazer uma das coisas que amo na vida.

Desinfetei-me como era suposto. Aliás, o exterior do meu corpo deve ter uma acumulação inédita de "resíduos" de lixívia.

Quando finalmente a grávida apareceu, tinha um sorriso de orelha a orelha.

A verdade é uma: com estas situações, aprendemos a valorizar melhor aquilo que antes demos por adquirido e isso não tem nada de filosófico.

runtastic2019-07-28_10_35_19_033.jpg

 

27
Dez19

Batoteira, fura-filas ou algo que o valha


João Silva

Depois da época natalícia, corremos a passos largos para mais um virar de ano.

Nesta época em que estamos mais propícios às recordações, trago-vos uma história insólita que data da minha última maratona, no passado dia 03 de novembro no Porto.

Ao quilómetro 37, seguia eu de sorriso estampado no rosto quando ultrapassei alguns atletas em maior dificuldade.

Como forma de incentivo, soltei um "vamos lá, está quase" e um "para quem já fez 37 km, o que são 5?".

Perante esta minha observação, uma atleta vira-se e diz-me o seguinte: "para mim são menos que só comecei aos 17".

Não parei, porque não me perdoaria, mas fiquei incrédulo perante aquela desfaçatez.

IMG_20191103_122629.jpg

E porque digo isto?

Porque a senhora tinha dorsal de maratona, logo estava a participar no evento e não era uma "mera corredora" de domingo e porque é mais comum do que se pensa haver batota nestas provas, algo que me ultrapassa.

O que se pode ganhar com isso? 

E pior: que benefício para quem o faz? É uma espécie de autoengano.

Além disso, parece-me de uma tremenda injustiça dizer-se que se cruzou uma meta numa prova dessas após fazer uma estupidez do género.

Já vos chegaram aos ouvidos histórias de batota no desporto?

Convido-vos a partilhá-las aqui.

09
Dez19

Memórias (quase) perdidas IV


João Silva

Ainda hoje penso nisso com saudosismo, embora não me recorde ao certo do dia ou do mês em que tal aconteceu: basicamente, estou a falar do primeiro treino longão de 25 km que fiz, no ano de 2017.

Sei que foi na terra dos meus sogros, em direção a Carnide. O propósito era mesmo preparar a primeira meia maratona, na Figueira da Foz, em junho desse ano.

Além disso, a minha missão era "simular" o contexto de competição e os abastecimentos.

E como se simula uma competição a treinar sozinho? Simples, jogamos com a nossa cabeça.

Lembro-me perfeitamente de idealizar cenários em que "havia" atletas à minha frente e em que dizia a mim próprio "não faz mal, deixa-os ir, também vais lá chegar, não te importes com eles". Porque foi importante? Porque me permitiu dominar perfeitamente as influências "externas" no desempenho.

Foi crucial para treinar o meu foco, para não querer dar um passo maior do que a perna.

Esse treino foi igualmente relevante porque foi a primeira vez em que abasteci durante a corrida. Andava às "apalpadelas". Não sabia ao que ia nem o que me iria "afetar" no treino, pelo que levei cubos de marmelada e metades de banana numa bolsa à cintura. A juntar à festa, uma garrafa de água.

Num dia de sol, a marmelada não podia ter ficado bem. Assim foi.

Hoje, tirando treinos de 42 km, não preciso de mais nada além de água. No entanto, estava longe de poder imaginar que chegaria a este patamar. Não me arrependo de nada e voltaria a embrulhar a marmelada em película aderente. 

A terminar esta memória, deixo ainda a nota de que cheguei ao fim daquele treino completamente estourado...mas ainda com força para mais 1h de treino de reforço muscular.

IMG_20170415_112213.jpg

 

08
Dez19

Memórias (quase) perdidas III


João Silva

Em mais uma sequela de memórias dos meus treinos desde o início desta aventura, trago-vos o episódio em que passei pela primeira vez a barreira de 1 hora seguida a correr.

Foi em dezembro de 2016, embora não me recorde do dia em específico, mas sei perfeitamente que demorei 2h17m a percorrer 17 km.

IMG_20161211_095441.jpg

Podia ter corrido muito mal porque ainda nem tinha passado um mês desde que começara a correr, mas foi aí que percebi que fazer longas distâncias era uma paixão. Ainda não tinha baixado da barreira dos 100 kg, portanto, podem ter uma noção do que o meu corpo sofreu.

Além disso, seu eu próprio, não podia ter escolhido coisas fáceis, pelo que me meti a percorrer subidas aqui em Condeixa.

Cheguei ao fim num misto de sensações. Depois dess altura, treinei três semanas seguidas a mancar, mal conseguia mexer a coxa direita, mas não me verguei.

 

IMG_20161224_131044.jpg

 

O lado psicológico gostou tanto de perceber que aguentava o sofrimento para ser feliz no fim.

Depois disto, o meu "caminho" estava traçado: longas distâncias.

Hoje, em 2h30, consigo encaixar 30 km, portanto, 13 km a mais em relação àquela manhã fria de sábado em dezembro de 2016.

IMG_20190831_075226.jpg

05
Dez19

Memórias (quase) perdidas II


João Silva

FB_IMG_1536735074596.jpg

Em mais uma publicação sobre as memórias remotas de acontecimentos importantes em termos de corrida, falo-vos da primeira vez em que tomei verdadeira consciência de que também havia outros corredores a recorrer ao ziguezague como técnica.

O que é o ziguezague? Basicamente consiste em alternar o lado de corrida, sendo especialmente usado em subidas pois permite ganhar ritmo e uma boa cadência.

Como sou perdido por ciclismo, foi lá que aprendi esse método.

Curioso foi o facto de o atleta que adotou esse sistema na Eco Meia Maratona de Coimbra em 2018 ter sido o elo de ligação na minha mudança para a equipa ARCD Venda da Luísa.

Falo-vos do meu colega Joaquim Baltazar, que podem ver na foto acima. Quando o vi adotar aquela técnica, percebi logo o que estava a fazer. Também eu comecei a fazê-lo naquele momento. Desde então nunca mais me vi livre da dita "artimanha".

Meses mais tarde, já ambos vestidos de laranja, tive a oportunidade de confirmar isso mesmo com o colega no almoço da equipa.

Desse lado alguém já recorreu ao ziguezague como técnica? (Em embriaguez não vale).

FB_IMG_1536950767383.jpg

 

01
Dez19

Memórias (quase) perdidas


João Silva

FB_IMG_1528666232377.jpg

Esta rubrica nasceu em plena prova Eco Meia Maratona de Coimbra no passado mês de setembro. E porquê? Porque a corrida é uma excelente forma de nos ouvirmos a nós próprios. Particularmente, fico muito criativo quando corro.

E em que consiste? Basicamente, o meu objetivo é falar de detalhes, gerais ou técnicos, que me aconteceram em provas. É diferente da outra rubrica de histórias, porque essa destina-se mais a aventuras e a peripécias. Esta, por outro lado, diz respeito a pormenores mais específicos, pequenas coisas que foram mudando a minha forma de correr.

A primeira aconteceu na meia maratona da Figueira da Foz em 2018 (foto).

Foi a primeira vez em que combinei ritmo com outro corredor e assim consegui (conseguimos) melhorar muito o nosso tempo. Fiz 1h31 e até hoje é o meu recorde pessoal.

Para "irmos na roda de alguém", ou seja, a puxar um pelo outro é preciso encontrar um corredor com um ritmo semelhante. Além de demorar, isso pode mesmo ser impossível em determinadas provas.

Em teoria, já sabia o que era, mas nunca tinha passado à prática...até que naquele dia, em que choveu copiosamente, encontrei um senhor de Oliveira do Bairro.

Nos primeiros 10 km, andei "sozinho", mas, facto curioso, a dada altura vi que ele ia à minha frente com outro corredor. Pareceu-me simpático. A partir do momento em que demos a volta nas Abadias, comecei a endurecer o ritmo e senti que estávamos juntos. Os metros foram passando e começámos a meter conversa, num ritmo alto. Deu para tudo.

Quando demos por nós, estávamos a 03 km da linha de chegada e aí despedimo-nos e acabei por descolar, isto porque senti que tinha mais energia do que o senhor, cujo nome infelizmente já não me lembro.

Foi ali que percebi a importância de encontrar alguém com um ritmo semelhante ao nosso e foi também naquele local e naquele dia que compreendi finalmente por que razão o atletismo não é um desporto tão individual quanto se pensa.

FB_IMG_1528841101584.jpg

 

19
Set19

E à primeira oportunidade, charco com ele


João Silva

IMG_20170401_184350.jpg

Mais um momentos da categoria "isto só a mim".

Primeira prova oficial a correr em trail.

Foi no dia 01 de abril de 2017 na terra da minha esposa, Bajouca, no distrito de Leiria.

Nesse dia, contei com a presença do meu bom amigo Filipe Coelho.

Nada mais oportuno do que deixar logo a marca.
A prova foi exigente, adorei-a, mas, nos primeiros 5 km, fui "alvo" de uma situação digna de registo: passámos por túnel e, no lado da saída, deparámo-nos com um "lago" de lama misturada com estrume. Na verdade, era lama de esgoto.

IMG_20170401_184218.jpg

Como não ia na fila dos primeiros, o terreno já estava muito massacrado e aquilo parecia uma piscina de terreno movediço.

Assim que coloco um pé, fico enterrado até aos joelhos, desequilibro-me e zás, toca a tomar uma banhoca no meio do charco.

Restou-me levar a prova a bom porto no meio daquele odor fétido e daquela lama toda bastante incómoda espalhada pelo meu corpo.

A camisola era branca. Era. Depois ganhou uma coloração bem mais interessante.

Como se não bastasse, rasguei uma das perneiras. É o único rasgão que tem. Até agora, a boracha de absorção do impacto nunca saiu. Oxalá continue assim.

 

IMG_20170401_192547.jpg

 

13
Set19

Atrasado, perdido e cego


João Silva

Mais uma história daquelas que merecem ser contadas.

E é também mais uma em que se pode utilizar na perfeição o ditado "contado ninguém acredita".

Em abril deste ano, fui finalmente estrear-me como corredor no distrito de Aveiro.

Meia maratona de Ílhavo, dia chuvoso.

Decidi que era boa ideia sair de casa 1h30 antes da prova. Ideia peregrina, ainda para mais, quando nunca tinha conduzido para aquelas bandas.

O enredo jeitoso teve início ainda antes da partida, porque escolhi uma estrada no GPS e nem me apercebi que me ia mandar para um percurso a passar por Montemor em vez do típico IC2 a cruzar Coimbra.

Dei conta do erro nessa manhã, perdi imenso tempo, porque tive de voltar para trás e de redefinir a rota.

Photo 07-04-2019, 19 17 38.jpg

Como se não bastasse, na zona da Anadia, distraí-me, não tomei atenção ao GPS e voltei a perder-me.

Tinha pedido à minha colega Lígia para me levantar o dorsal. Foi a minha sorte.

Só cheguei a Ílhavo 15 minutos antes do início da corrida. Foi tempo de procurar estacionamento numa zona completamente lotada e de ir buscar o papel mágico para conseguir correr.

Como não tenho juízo nenhum (ou muito pouco), achei boa ideia tirar umas fotos primeiro, aqueci no trajeto para ir buscar o meu dorsal. Como se não bastasse, deixei o meu porta-dorsal no carro e, para não furar a camisola, tive de voltar ao dito.

A chuva, sempre impiedosa, não me deixava ver nada com os óculos. Conclusão: mais uma prova sem aqueles vidros bem importantes.

Foi remédio santo. Nas outras provas fora da minha localidade, saí de casa perto de 03 horas antes da dita.

Em relação à de Ílhavo, ou muito me engano ou terá sido a primeira e última. Não gostei do percurso, não apreciei a prova no geral e, verdade seja dita, também não estive ao meu melhor nível.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub