Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

14
Abr20

Let's get polarized!


João Silva

Não, não se trata de bem e de mal, não é sequer uma clivagem política entre certo e errado.

A publicação de hoje visa promover conhecimento.

Tem o intuito de partilhar as informações que borbulham no cérebro deste vosso estimado.

Presumo que muitos, sobretudo quem está ligado ao desporto, já ouviram falar em treinos polarizados.

Como não podia deixar de ser, tomei conhecimento do termo e da ideia num dos podcasts ligados ao ciclismo, o VeloNews, que aconselho vivamente a qualquer amante de qualquer desporto. Aprende-se imenso.

Semeada a curiosidade, lá me lancei à procura de conteúdo para vos transmitir estas ideias.

De forma muito sucinta, o treino polarizado é muito comum em atletismo, ciclismo, triatlo e "derivados". Assenta em treinos "divididos" em duas zonas. Na verdade, existem três zonas de treino: suave, intermédio e intenso. 

No fundo, o treino polarizado defende que o treino se situe sempre na zona 1 ou na zona 3. Deste modo, a zona 2 é praticamente esquecida.

Traduzindo a ideia: 80% dos treinos na zona 1 e 20% na zona 3.

A zona 1 é de baixa intensidade e é muito importante para criar "volume" cardiovascular, para aperfeiçoar a técnica e para recuperar ativamente das cargas sofridas na zona 3, que se destina principalmente ao treino muito intenso. Este tipo de treino visa ganhar maior explosividade e maior velocidade. São, por exemplo, os designados treinos de velocidade, de séries ou intervalados, onde o corpo é transportado para um patamar muito mais forte, sem grande espaço para regeneração. É precisamente esse facto que vai promover a evolução da forma, já que o corpo vai criar mais radicais livres na sequência dessa carga "inesperada" e centrada em elementos anaeróbicos (exercícios com pouco ou nenhum oxigénio). Neste caso, a zona 1 é depois utilizada para "curar" esses radicais livres. Isto é, para recuperar de forma ativa e para assimilar as mudanças.

No meu caso, como treino todos os dias, é muito complicado andar sempre entre zona 1 e zona 3. O meu corpo não aguentaria, pelo que treino frequentemente na zona 2, a intermédia. A espaços vou introduzindo passagens para a zona 3. No dia seguinte a um treino forte de subida ou de reforço muscular com "mountain climbers" ou "burpees", tenho de descer à zona 1. O corpo obriga-me a isso.

E desse lado, alguém cnsegue ver o seu treino em alguma destas zonas?

IMG_20190913_121949.jpg

 

 

26
Mar20

Silêncio, meditação, cérebro


João Silva

IMG_20190518_085004.jpg

Aflorei esta questão há uns dias, mesmo a terminar o mês de março e agora dou-lhe o remate final.

Disse que o silêncio era importante sem, no entanto, explicar verdadeiramente o motivo.

Em termos científicos, o silêncio assume, face ao cérebro, a mesma função que o esquecimento. Ou seja: são mecanismos de limpeza. Ao contrário do esquecimento, cuja importância se revê mais na limpeza e na higiene cerebral, o silêncio permite a assimilação do conhecimento. É, na verdade, o elemento responsável pela entrada em cena dos nossos pensamentos mais básicos.

Podem fazer a seguinte experiência: não ter nada ligado nem ninguém por perto. Verão que daí a uns minutos o vosso cérebro vai viajar sozinho para terrenos distantes, bem remotos, mas sempre com base nas informações que recolheram.

No fundo, o silêncio é o indutor da meditação, daqueles pensamentos puros (não necessariamente bons) que circulam e navegam no nosso cérebro. Aliás, numa fase em que não pude fazer sessões "reais" de meditação, foi assim que consegui organizar ideias e arrumar a minha cabeça.

Mais tarde, em pesquisas e em programas científicos, percebi que o silêncio ajuda, de facto, a compartimentar a informação, sendo ainda benéfico para as redes neuronais, porque lhes oferece organização. É desta mistura de silêncio, abstração e meditação que sai um cérebro mais completo e mais capaz de lidar com fases negativas. 

E entre vós, quantos são os que valorizam uma bela dose de silêncio? E preferem de manhã, de tarde ou à noite?

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub