Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

17
Nov19

Cai o pano sobre as 4 estações de 2019


João Silva

FB_IMG_1542666897130.jpg

No ano passado, esta prova foi muito especial: reunião da equipa na terra da mesma e final do circuito de 4 estações.

Houve honras de foto anual da equipa e no fim um belo almoço convívio.

Absolutamente espetacular. Ainda para mais, marcou a "ressaca" da maratona do Porto, a minha primeira.

Este ano, mais concretamente hoje, volto a correr oficialmente na terra da minha equipa. Isto, outra vez, depois da maratona.

Porém, desta vez, faço-o com uma certa disciplina que não tive em 2018: depois da maratona, decidi fazer um certo reset, sempre necessário para o corpo fechar um ciclo e voltar a abrir outro.

Embora não tenha parado, optei por caminhadas, depois bicicleta estática e, a acompanhar ambos, sessões de reforço muscular. Acreditem: só voltei a correr quase dez dias depois da maratona e o meu corpo está a dar uma excelente resposta,  embora não saiba nesta fase se conseguirá responder a esticões, porque o objetivo é começar agora a nova época e isso implica sempre algumas oscilações no rendimento.

Obviamente que penso em fazer boa figura na Venda, mas considero mais importante olhar pela minha saúde e forma física.

FB_IMG_1542726978330.jpg

O percurso deste ano mereceu honras de remodelação e parece-me muito mais exigente, desde logo, por ter 12 km em vez dos tradicionais 10.

Como gosto de correr muito, isso deixa-me satisfeito. Dá-me um quentinho no coração, bem necessário numa altura de muito frio.

Além da distância, a dureza também reside no percurso.

Sendo certamente uma vantagem, desde 2018 que comecei a correr mais "por aquelas bandas", pelo que, acredito, não vou ser surpreendido a esse nível.

Ainda assim, com um desempenho que deixou a desejar nas outras três provas deste circuito em 2019, pretendo terminar esse capítulo com uma boa prestação.

Atendendo aos meus registos em contrarrelógio, apesar da dureza do percurso, acredito que é possível terminar os 12 km algures entre 50 e 55 minutos. E é para aí que vou apontar.

FB_IMG_1542828983381.jpg

Naturalmente, o ideal para mim seria começar forte e aguentar-me sem quebras, até porque as duas primeiras voltas correspondem à fase mais dura do percurso. Se conseguir suportar bem a subida do Sebal Pequeno, acredito que é possível fazer 50 minutos. 

A ver vamos como diz o ceguinho.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D