Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
09
Out19

Planificação de treinos


João Silva

IMG_20190624_164504_349.jpg

Como não tenho treinador, sou eu que faço os meus planos de treinos.

Sendo sincero, é algo que gosto de fazer, pois trata-se de uma tarefa exaustiva mas muito esquemática. Dado desde miúdo ter este toque (necessidade?) de escrever tudo para me organizar, faço-o de bom grado.

Ainda assim, é difícil explicar-vos detalhadamente como distribuo os treinos e as suas tipologias.

Até há pouco tempo, fazia uma planificação a pensar em dois meses (também já chegou às três), mas depois percebi que precisava de deixar algum espaço para o improviso.

Se me apetecer fazer um percurso diferente do estipulado, faço-o. Por outro lado, quando defino tipologias específicas, procuro nao "faltar", desde logo, porque, como são treinos muito duros, não quero dar "abébias" ao cérebro. Dito assim é um pouco duro, mas é raro mudar ou retirar um treino desses.

Uma das vantagens de amadurecer e de amealhar experiência com tudo isto é perceber quando o corpo não vai responder ao estipulado. Portanto, quando é mau para mim, não os faço.

Retomando a questão do plano propriamente dito, são sempre sessões duplas: normalmente, uma de corrida e outra de reforço. Depois, a cada grupo muscular atribuo um dia para não repetir as mesmas zonas. No passado percebi que isso era mau para o meu corpo. Outra das preocupações é não definir treinos duros de reforço nas vésperas de treinos mais longos ou de provas. Para essas ocasiões, por exemplo, determino treino de braços ou de peito.

Em relação ao treino de corrida, é importante espaçar, pelo menos, com um dia de intervalo, os treinos de fartleks dos de séries, dos de escadas ou também dos de subidas. Por norma, dois treinos de velocidade, um de subidas e um longão no cardápio. O resto consiste em treinos intermédios para recuperar ativamente.

Nem sempre foi assim, houve alturas em que era muito bruto na estipulação, mas o corpo, a carga e as dores encarregaram-se de me levar nessa direção.

Por agora, tem funcionado bem. E por aí, como é?

6 comentários

Comentar post

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub