Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

20
Jan22

Paranóia ou uma espécie de manual de sobrevivência


João Silva

Hoje saímos um pouco da parte desportiva. Quer dizer, na verdade, não. Porque isto que vos trago é uma espécie de manual sobrevivência para quando se tem um bebé a dormir.

Nunca se acorda um bebé adormecido. Este é o lema cá em casa desde o dia em que o Mateus nasceu. 

Quem é pai ou mãe sabe bem o quão difícil é adormecer um recém-nascido ou um bebé.

Por isso, livre-se aquele que acordar um rebento.

Sigo isto tão à letra que chego ao ponto de ficar paranóico.

Primeiro, saio de casa pouco depois das 05 horas da manhã para treinar. Ora, normalmente, o bebé está a dormir. Conclusão: rodo a chave com uma minúcia que nunca tive. Demoro dois minutos a abrir a porta (dois minutos é imenso num processo que demora segundos normalmente).

Saio de casa com o frontal ligado no mínimo para não ligar a luz do corredor.

A porta do WC range um pouco em algumas alturas do ano. A prática levou-me a perceber que tenho de empurrar um pouco antes de a puxar para não ranger.

Como se não bastasse, já sei que se chegar a determinada hora tenho de entrar rápido em casa porque é a hora de saída de uma das vizinhas e ela bate a porta com muita força.

Se ouço algum camião a apitar perto da nossa rua, fico doente a pensar que me acordaram o garoto. Da mesma forma, já sei que, quando adormece entre as 21 e as 21h30, o Mateus vai ouvir o barulho todo dos estoros dos vizinhos.

IMG_20210518_105903.jpg

 

Às vezes nem se mexeu, continua a descansar, mas eu fico numa inquietação que nem sabia ser possível.

O desgaste que isto cria!!! Sou apologista de que temos de nos adaptar aos bebés e aos seus ritmos. Foi isso que fizemos desde o início. E o desgaste que isso cria em algumas circunstâncias?!

E por aí também têm ou tiveram cuidados com os pequenos dorminhocls quando saem de casa para trabalhar ou treinar?

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub