Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

06
Fev20

Janeiro: to be or not to be (proud)


João Silva

 

Screenshot_20200131_140428_com.runtastic.android.j

 

O que vos mostro na imagem da minha aplicação de treinos é tão só uma espécie de catarse misturada com problemas de agenda: pela primeira vez, corri 636 km num mês. Que loucura (boa)!

Parece um paradoxo, mas os restringimentos laborais que tive obrigaram a um método de treino mais monótono, sem que, no entanto, isso me tenha aborrecido. Muito pelo contrário.

No entanto, pela facilidade de encaixe na minha agenda, tornou-se mais fácil adotar sessões de corrida de uma hora e meia seguida. Qual a vantagem? O treino era todo feito de uma vez só, sem estar a cortar para iniciar a sessão de reforço muscular.

2020-01-01_11_02_27_780.jpg

 

Como já tinha dito há uns meses, as minhas sessões costumam ser duplas numa base diária, sendo que dividia, regra geral, entre 1 hora de corrida e 1 h de reforço muscular.

As limitações de tempo e a minha incapacidade para me disciplinar numa hora seguida de trabalho de força, achei mais proveitoso um treino longo mas continuado.

Claro que a tipologia de treino acaba por se tornar num risco para o meu corpo e, para ser sincero, brinquei com o fogo. A minha “sorte, que não foi sorte porque foi o reflexo de três anos de trabalho, foi ter uma estrutura física que aguenta bem este tipo de cargas e, além disso, nunca deixei de parte os alongamentos. Tenho a certeza de que isso foi crucial para aguentar volumes semanais com uma média de 110 a 140 km.

A espaços, quando fui conseguindo ter tempo, reintroduzi os trabalhos de força. Adoro treino de reforço e maior ausência nesta fase mostrou-me precisamente isso. E o que fez essa vontade de retoma? “Lançou-me” à procura de exercícios intensos mas curtos, também conhecidos como HIIT.

Descobri alguns muito bons e fui aplicando como complemento das sessões de corrida. Aqueles HIIT de 10 ou 20 minutos foram-me sabendo pela vida.

No fim de contas, fiz o que foi preciso para me aguentar. Não andei bem da cabeça, senti que precisei daquele sistema. Tenho noção de que arrisquei, percebo quem me possa chamar tresloucado, mas, francamente, estando à procura do meu eu e da minha “cura”, tudo o que fiz foi necessário e não quero saber de mais nada a esse respeito. Sabia que estava no caminho das lesões, mas precisei de arriscar. Felizmente, correu bem.

Como se pode ver abaixo, em dois meses, passei a barreira dos 1000 km na estrada. Independentemente do que a minha vida possa vir a ser a partir de maio, jamais isso será arrancado de mim, o que me deixa tremendamente feliz, porque cheguei ao dia 31 de janeiro consciente de que o meu corpo aguentou bem, apesar de tudo.

Screenshot_20200131_140524_com.runtastic.android.j

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub