Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

25
Jul19

E de bem perto a vi...outra vez


João Silva

Curiosamente, um ano volvido desde a primeira vez, voltei a sentir o sabor amargo da parede.

É este o nome dado ao fenómeno de escassez de oxigénio em que o corpo mergulha, normalmente, após os 30 km de uma maratona e onde o organismo entra em conflito para desviar aquilo que nos mantém vivo do cérebro para os músculos.

Nesta altura, é comum surgirem as ideias de desistência, a fraqueza física e a incapacidade para raciocinar. Pode demorar alguns quilómetros (passamos a demorar o fim do mundo para percorrer 200 m, por exemplo) ou pode deixar-nos absolutamente K.O.

No meu caso de sábado passado, foi difícil sair da espiral negativa, mesmo sabendo que estava a entrar nela. Percebi isso, mas não consegui reagir bem.

Regra geral, surge a partir dos 30 km, desta vez, aos 27 já deu sinal.

Não gosto de repetir a história, ainda para mais, quando é negativa, mas, tal como no ano passado, acredito que vai ser o arranque para uma excelente prestação na maratona do Porto em novembro.

IMG_20190720_111319.jpg

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D