Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

27
Mai19

De repente ia saindo uma maratona em treino


João Silva

Tinha previsto fazer um treino longo.

Andava a precisar daquela "vitamina".

E na semana anterior já tinha esboçado um percurso interessante. Como treinei com a minha colega Sandra a 18 de maio e descobri (ela já conhecia) alguns caminhos de terra batida muito interessantes, decidi que tinha de experimentar.

E assim fiz a 24 de maio.

Aperaltei-me todo, como se fosse para uma prova. Inclusive, acrescentei à lista de material a levar as gelatinas energéticas e uma bandana para a cabeça, daquelas que são fornecidas em provas. No caso, foi a que me deram na maratona do Porto.

E lá fui eu, juntamente com o telemóvel e este gosto muito recente por ir a ouvir podcasts. É uma excelente companhia. E não deixei que me faltasse o protetor solar, que isto de correr sob muito sol e calor dá cabo da "moleirinha" de uma pessoa.

Fiz algumas experiências muito interessantes: os primeiros 10 km foram marcados por subidas, duas delas que nunca tinha feito, por descidas acentuadas e técnicas e, além disto, ainda decidi alargar o período de abastecimento de sólidos.

No total do treino, subi cerca de 400 metros em estrada e fiz o primeiro abastecimento apenas ao fim de quase duas horas. Tinha as reservas de energia recarregadas dos dias anteiores e isso ajudou. O que também se revelou extraordinário e crucial foi a gestão que fui fazendo da ingestão de água.

O segundo abastecimento seguiu-se às duas horas e meia e o terceiro e último abastecimento sólido ao cabo de três horas.

Depois do "reboliço" dos primeiros 10 km, entrei numa fase que já conhecida, que é mais "estável" (não totalmente plana) e que me permitiu aumentar o ritmo. 

Posto isto, em vez de chegar a Ega e cortar para Condeixa, decidi que ia mesmo a Campizes (já tinha pensado nisso na semana anterior). 

Nesta fase, toda ela plana, mas percorrida debaixo de um calor abrasador, acreditei que estava muito bem e que ia conseguir fazer 42 km em treino, menos de um mês depois da maratona de Aveiro.

Como sempre, o corpo é quem mais ordena e o impacto dos 30 km faz-se sempre notar.

Curiosamente, não me fez sentir mal, mas mostrou-me que, apesar de ter energia e, sobretudo, moral para chegar aos 42 km, era importante dar algum sossego ao organismo, poupá-lo para os dias seguintes (a 25 de maio fiz mais 20 km para ajudar a preparar outra colega de equipa, a Isabel, para a sua primeira meia maratona em estrada; a 26 de maio foram 24 km sozinho e com duas passagens por serra [as mesmas dos dias anteriores]). 

O incrível no fim de contas foi que, ao contrário do que aconteceu noutros treinos de 42 km, não terminei com a sensação de que estava no limite das forças.

As dores surgem sempre e os quadris ressentem-se um pouco, não dá para negar isso, mas cheguei fresco e bem lúcido. 

E isso é impagável e deixa-me muito feliz, não só porque corri sem olhar para os tempos (fiz perto de 9 km na primeira hora, ou seja, andei acima de 6'/km, embora tivesse subido aí a totalidade dos 400 m de altitude que o treino teve), mas também porque me faz acreditar que é possível correr mais maratonas num menor espaço de tempo. Algo que se prepara para me trocar as voltas e me deixa a refletir no que poderá ser o ano de 2020...

IMG_20190524_084948.jpg

IMG_20190524_085551_2.jpg

IMG_20190524_090946.jpg

IMG_20190524_095601.jpg

P. S.: voltei a perceber que as gelatinas energéticas Aptonia são uma melhor fonte de energia para estes treinos em comparação com as tâmaras, porque estas últimas não apresentam o elemento redutor de fadiga que se torna essencial em distâncias tão grandes. Além disso, mesmo perante um percurso tão complexo e debaixo de tanto calor, fico com a sensação de que não precisarei de consumir tantas gelatinas como fiz em novembro de 2018 e em abril deste ano nas duas maratonas oficiais em que já participei. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub