Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
13
Jun22

Crónica de uma série de VMA


João Silva

Estou a queimar os 20 minutos de aquecimento e a excitação (e o entusiasmo) está nos píncaros.

É a primeira repetição de uma série que é suposto deixar-me perto do farrapo.

Olho para o relógio do pulso esquerdo e vejo as horas. O do pulso direito assinala a distância e o "meu destino".

Pé a marcar ritmo e siga. Velocidade máxima. Mais do que aquilo o corpo não tem. Braços para cima e para baixo em coordenação com as pernas. O peito recebe o ar que a boca teima em armazenar num ritmo frenético.

Sente-se rapidamente o quentinho a invadir o corpo. Esbaforido olho para o cronómetro indignado por aqueles dois minutos demorarem imenso a passar.

Chegam finalmente ao fim e vejo que corri quase 600 m naquele tempo. É bom, para uma primeira série desta intensidade, é bom.

Começo a fase de recuperação. São dois minutos num trote quase cambaleante. Sabem a ouro aqueles dois minutos se recuperação, mas também são a contagem decrescente para mais uma sequência exasperante de velocidade.

Devo ser masoquista, penso. Eu adorei aquela sensação, aquele arfar e aquele ímpeto. Decididamente sou masoquista, constato.

Seguem-se as outras sete repetições previstas e, em cada uma, vou perdendo frescura. O corpo treme mais porque já não tem tanta energia. Ainda assim, mexe-se com a desenvoltura de quem quer mais, muito mais. De quem sente que este é o caminho.

Acreditar é um pouco disto: seguir no caminho trilhado na esperança de que dê resultado.

Termino a sessão extenuado mas esperançado.

Na retina fica-me uma das últimas repetições em que senti o meu corpo a mexer-se por inteiro, em que senti que o movimento de passada me obrigou a deixar "tudo" na estrada.

Foi a primeira vez que fiz um jogo de séries tão longo. Não terá sido a última

FB_IMG_1574463290015.jpg

10 comentários

Comentar post

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub