Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
30
Out19

Aquela obstinação lixada


João Silva

IMG_20190831_075109.jpg

 

IMG_20190831_101728.jpg

IMG_20190831_112849.jpg

Ao fim deste tempo todo, já deu para perceber que sou claramente uma pessoa teimosa e obstinada. Vejo nisso um lado bom pela persistência, pela capacidade de luta e pela garra. Sem modéstias, acho que isso vinca a minha personalidade.

Por outro lado, aquele mais nefasto para mim, percebo muitas vezes que me estou a meter em terreno arenoso e, ainda assim, sigo em frente. É como a teoria de estar à beira do precipício e dar um passo em frente.

Reparei nisso em alguns aspetos do meu dia a dia, mas é nos treinos que mais noto isso.

São tantas as vezes em que percebo os sinais do meu corpo, mas procuro pôr de lado a relevância daquilo. Se fizesse o que deveria em termos de treinos, tinha percorrido muitos menos quilómetros. E, valha a verdade, muitas vezes é brincar com o fogo, porque as lesões podem aparecer e depois estragam o trabalho feito.

No caso da obstinação, falo nela por causa da minha atitude para comigo no treino de 31 de agosto.

Comecei na companhia do meu colega André Santos. A dada altura fiquei sozinho, continuei, mas percebi que tinha ficado vazio, sem energia, sem capacidade de resposta. Logo ali vi que não daria para fazer tudo o que queria, mas como já tinha tudo definido na minha cabeça, obriguei-me a ir e acabei o treino com 38 km. Pela minha vontade, teria feito 42 km, mas o corpo não quis. A partir dos 35 km, comecei a sentir quebras muito grandes. Porquê? Porque me recusei a abastecer com sólidos, tinha as barras normais, mas sou tão casmurro e não quero açúcares desnecessários no meu organismo. A questão é que não são desnecessários. Para fazer os 42 km e acabar bem é necessário comer as gelatinas.

IMG_20190831_080029.jpg

No meio destas casmurrices, há um lado bom que pode ser muito útil para domingo: a obstinação ser usada para lutar até ao fim, para chegar àquela meta no Porto. Oxalá tenha juízo e seja obstinado pelo lado bom.

4 comentários

Comentar post

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub