Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
20
Mai24

A pré-fadiga


João Silva

No fundo, este conceito diz respeito ao ato de provocar algum cansaço no organismo antes de um treino específico de corrida.

Como se sabe, o treino gera cansaço e o cansaço leva ao progresso, quando aplicado nas devidas proporções, porque vai obrigar o corpo a regenerar e esse processo vai melhorar a condição do corpo.

Em alguns treinos de velocidade, por exemplo, já numa fase próxima de uma maratona (cerca de um a um mês e meio antes), pode dar uma grande ajuda, para manter a tensão necessária e não fazer o corpo relaxar.

received_2009092635809989.jpeg

 

No entanto, por se tratar de um treino que gera treino intenso em dose dupla, é preciso fazê-lo com calma. 

Um exemplo disso seria um treino forte de reforço muscular (de glúteos ou coxas) seguido de um treino fracionado de velocidade como 10 x 1'5''/1'5''. Aqui é preciso dar descanso. Talvez um mínino de 24 a 36 horas. Caso se treine, corrida, por exemplo, é importante fazê-lo a um ritmo muito lento.

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub