Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

14
Ago20

A parentalidade dá fome


João Silva

Parece uma forma de desculpar a minha gula e de justificar qualquer ingestão acéfala que tenho por hábito levar a cabo.
Ainda assim, não é por isso que trago este texto a exposição hoje.
Ser pai ou mãe é não ter regras, como todos os que o são sabem. Isso afeta a qualidade do sono.
Até aqui, nada de novo.
Como essa afetação, é o nosso sistema nervoso e de autorregulação que sofre.
Este processo vai depois ter fortes implicações na forma como o nosso hipocampo vai regular a nossa fome, o filtro do córtex central e o nosso sono.
Assim sendo, é bastante comum não se conseguir controlar aquilo que se come nem as horas a que se come. Não é gula, chama-se mecanismo de compensação e visa usar a comida como forma de equilibrar as perdas do corpo provocadas pela ausência de períodos mais prolongados e reparadores de sono.
A parte do córtex central foi aqui referida para vincar que o nosso humor e que a nossa capacidade de discernimento sofrem a bom sofrer.
No meu caso, notei muito mais dificuldade para controlar os meus impulsos alimentares. O problema já vinha de trás, mas agrsvou-se claramente com a chegada do Mateus e com tudo aquilo que isso implicou. Felizmente, não foi deixar de comer bem para comer mal, teve, sim a ver com a quantidade de comida ingerida, o que me obrigou a treinar mais para transformar energia em músculo ou, pelo menos, para não deixar que essa energia passasse a gordura pura.
A adaptação e a reinvenção de treinos também não foi nada benéfica a esse nível.
Não consegui dizer que não muitas vezes e perdi as estribeiras outras tantas.
Foi e está a ser um período de grandes desafios e mesmo muito complicado de lidar, mas sempre ouvi dizer que o que não nos mata nos torna mais fortes...quando se entra na parentalidade, o "fortes" também pode ganhar dimensão física.

received_678885729557328.jpeg

 

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub