Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

Em novembro de 2016 era obeso. Depois comecei a correr, eduquei a minha alimentação e tornei-me maratonista. Mais tarde, tornei-me pai. Correr é uma das minhas paixões. Ser pai é outra. Corro todos os dias.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

22
Mai22

A criança ainda brinca


João Silva

Longe vai a ideia de que um pai (mais do que as mães neste ponto) só tem de assegurar a sobrevivência da sua família. Têm os dois, ponto final.

Ser pai (e mãe também) implica educar e dar amor. E as duas "funções" são inteiramente compatíveis.

Uma das formas de amor é brincar com eles, dar a nossa presença. Sinto isso tantas vezes com o Mateus. Ocupo-me dele, mas, quando tenho de entregar algum projeto com maior brevidade, ele não descansa enquanto não vou ter com ele. Quer brincar. E se comigo é assim, imaginem como é quando é a mãe a ter projetos e a não poder estar mais diretamente!

Sim, eu brinco. Eu faço figuras tontas. Eu sou pai. Coloco-me sempre ao nível dele (eu e a mãe). É um igual a nós, só que mais pequenino. 

Acho que ele adora brincar comigo. Eu sei que há poucas coisas na vida que me deixam tão feliz.

Há uns tempos, o Pedro Ribeiro da Comercial dizia que adorava sentir-se criança quando brincava com os filhos.

É, de facto, uma bênção! Não trocava uma brincadeira com o meu filho pela melhor maratona do mundo (não é necessário chegar a tanto, é possível conciliar, mas é para se perceber que adoro brincar com ele).

E quando brincamos, eu saio da pele de adulto e sou feliz na minha forma mais pura. Não escondo qualquer desejo de voltar à minha infância. Teve liberdade mas também teve muitas dores que não provoquei e, mesmo assim, teimaram em aparecer.

Quando brinco com o Mateus, deixo brincar quem está dentro de mim.

E mesmo quando a brincadeira acaba, acabo o dia com esperança de poder ter tempo para voltar a brincar com ele no dia seguinte.

Ser pai não é brincar a toda a hora, mas é mostrar ao nosso filho que também nós temos uma criança que precisa de ser "alimentada". 

IMG_20220401_111929.jpg

 

Não sou um amigo. Sou amigo. É diferente. Para mim, 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub