Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

31
Dez20

Um ano diferente, para mim, um ano muito especial


João Silva

Há um pouco este antagonismo: por um lado, foi um ano duro com coisas desconhecidas e invisíveis (mas palpáveis) a minar todo o tipo de projeto ou objetivo. 

Precisamente por isso, deixo aqui uma palavra de apoio e de incentivo a quem ficou numa situação complicada, tanto devido a doença como a problemas financeiros. Faço votos para que este 31 de dezembro marque o início de algo bem melhor.

Do meu lado, como comecei por dizer, foi um ano a lidar com muitas situações novas, nem sempre (quase nunca) estive à altura delas e até considero que não fui fiel ao meu lema (mit den Schwierigkeiten wachsen - crescer com as dificuldades). Ainda assim, foi um ano que ficará sempre na história da minha família pelo nascimento do meu primeiro filho. 

Por tudo e mais alguma coisa, recuso a ideia de que 2020 é um ano para apagar da memória. Caramba, houve muita coisa má, mas terá havido, nem que tenha sido por breves instantes, momentos bons para todos, onde nem sorrisos faltaram. 

E é com toda esta alegria a aquecer-me o coração que aproveito para desejar a todos umas excelentes entradas em 2021 e ainda a maior força possível para que consigam realizar todos os vossos intentos.

Feliz 2021!!!

received_971937713270596.jpeg

 

29
Dez20

As lesões de um corredor - parte II


João Silva

Depois da primeira publicação há dois, seguem-se agora mais lesões devidamente apresentadas e explicadas pela revista Corrida e maratona.

Se forem como eu, mesmo não decorando tudo (até porque os termos aqui usados são técnicos), vão gostar de saber o que vos pode eventualmente afetar e, com base no dito conhecimento, poderão tratar os problemas.

Hoje trago-vos mais duas lesões:

a dor lombar (extremamente famosa e incómoda) 

IMG_20200913_180405.jpg

e a síndrome da banda iliotibial (um dos maiores problemas entre os corredores e que acaba por passar despercebida) 

IMG_20200913_180420.jpg

Já houve destes males por essas bandas? 

27
Dez20

As lesões de um corredor - parte I


João Silva

Felizmente, não há uma relação direta comigo ou com algum problema físico que tenha tido, no entanto, achei que faria todo o sentido apresentar-vos algumas páginas do livro Corrida e maratona (edições DK). Porquê?

Porque, munidos de imagens da zona corporal afetada, expõe a lesão, como pode ter ocorrido, qual o tratamento e qual a ligação com outras zonas do corpo. 

Todas as imagens que surgirem na sequência destas publicações das lesões provêm da revista supramencionada.

Arrancamos hoje com duas lesões, que dão pelo nome de luxação

IMG_20200913_180342.jpg

e de bursite (desconhecia esta por completo). 

IMG_20200913_180350.jpg

Alguém já fez parte do grupo de afetados destas duas? 

25
Dez20

E com tudo isto, é natal outra vez


João Silva

Arrisco-me a dizer que ninguém sonhava que teríamos natal condicionado desta forma.

Este ano a vida deu a enorme volta, pois claro. 

Cá em casa, preparamo-nos para um dia especial com o nosso maior presente, o nosso Mateus. Agora percebo a ideia de um mundo lá fora desabar e de nós só querermos estar com os nossos filhos.

Pela dureza do ano, pelas dificuldades que já aí estão e que ficarão piores, desejo, em nome dos três cá de casa um feliz natal a todos. 

Que, de alguma forma, seja possível esquecer o mundo lá fora e que todos consigam aquecer os seus corações com aqueles que mais amam. 

Feliz natal!

IMG_20190829_204157.jpg

 

23
Dez20

Uma série mal feita pode dar uma boa sequência


João Silva

Screenshot_20201209_113511_com.runtastic.android.j

Aqui não se percebe bem, mas este foi um treino de séries. 

Na verdade, marcou o arranque do meu segundo plano de treinos. E foi tudo tão demorado que acabou por ser uma "bênção".

Passo a explicar: por vários motivos, o mês de novembro pautou-se por algum regresso ao passado na incapacidade de iniciar e de dar sequência ao um novo plano de treinos.

Houve algumas tentativas, mas o corpo respondeu mal, muito mal. 

Até que veio este treino. Acordei com dores musculares e estive até à última para me decidir se fazia ou não o treino. 

Fiz. E não correu grande coisa. Das 12 séries de 420 m, só se aproveitaram 2. A grande maioria andou nos 1'52'', a pior chegou mesmo aos 2'. Qual foi o lado bom? Foi a adaptação do corpo à velocidade. As duas últimas foram ao meu melhor nível: a 11.a foi feita a 1'40" e a última série a 1'35".

O lado bom deste treino mau foi perceber que é preciso forçar um pouco para as coisas acontecerem. Não há momentos perfeitos para começar.

Aquela incapacidade física para estar ao meu melhor nível fez-me querer regressar ao treino de séries com mais frequência. 

21
Dez20

Sabiam que?


João Silva

2019-10-29_09_07_49_178.jpg

Não fazia ideia, descobri há pouco tempo num podcast e cá estou eu a partilhar:

Sabiam que a estrutura de amortecimento das vossas sapatilhas de corrida demoram 24 a 36 horas a voltar ao normal?

Pois é, meus caros, se treinarem todos os dias, é normal haver um desempenho menos bom se não trocarem de calçado entre sessões. 

Além disso, a estrutura física da sapatilha danifica-se mais depressa, se isso não for feito. A verdade é que não tenho o hábito de mudar de sapatilhas todos os dias. Só o faço em dias de chuva.

A mudança diária não só é benéfica para não massacrar os ossos como aumenta a longevidade das sapatilhas. 

 

19
Dez20

O mês de novembro visto mesmo aqui ao lado


João Silva

Screenshot_20201209_090601_com.geonaute.geonaute.j

Foi um mês meio estranho, apesar de me ter proporcionado excelentes treinos (dispersos).

O volume voltou a ser bom, mas a condição em que cheguei ao fim não. 

Foi o mês em que fiz duas maratonas (uma, acidental), em que dediquei duas sessões a treinos de sprints, escadas, técnicas de corrida e saltos à corda, tudo isto coisas importantes e que já não fazia há imenso tempo. 

Foi o mês em que voltei a correr com companhia (devidamente distanciada) e logo do Zé Carlos.

Posto isto, foi um mês em que não consegui ser regular em termos de ritmo elevado, em que não consegui começar o segundo plano de treinos como devia ser, em que não mantive regularidade no rolo e também um mês com muitos treinos marcados pelas dores (recuperação ineficaz). 

 

17
Dez20

Um ponto riscado da bucket list


João Silva

Na verdade, não tenho bucket list, mas isto já era algo que queria fazer há muito tempo. 

No dia 30 de novembro, como disse há uns dias, corri na companhia do meu estimado colega Zé Carlos, uma espécie de padrinho das maratonas. 

Irónico ter acontecido em plena pandemia, mas corremos sempre afastados e nem sequer houve lugar a cumprimentos físicos. Nem lugar à fotos do momento houve. 

Cada um no seu espaço, sempre em ritmo de conversa.

Foi uma madrugada de excelência na melhor companhia. 

Para mim, algo a repetir. 

Mais do que a corrida, agradeço ao Zé a sua companhia, os novos trajetos e as muitas conversas daquele dia.

Sem que ele tivesse feito alguma coisa por isso, deixei a companhia dele a pensar que tenho tudo para ser um "discípulo" dele. Não pelo desempenho ou pelas provas, mas pela paixão que temos pela corrida.

IMG_20190908_093803.jpg

 

15
Dez20

Não sei se já aconteceu antes


João Silva

Screenshot_20201024_083750_com.runtastic.android.j

No dia 24 de outubro, fiz magia. 

Felizmente, ao longo destes quatro anos de corrida, já tive muitos treinos que considerei bons. No entanto, este saltou diretamente para o topo dos topos. 

Integrado no primeiro plano que administre, em outubro, consegui encaixar 37 km em 3 horas de treino. 

Não vou discutir se há quem faça melhor, porque é um facto e nem devia precisar de referir isso. Porém, olhando para a minha realidade, foi mais um momento em que confirmei a mim mesmo que os meus planos funcionam. 

O mais engraçado é que nem tinha saído de casa com feeling. Não tinha dormido muito bem e sei o peso que isso tem na regeneração.

A primeira hora começou com uma grande sensação de cansaço. Porém, na parte final, comecei a melhorar. De tal forma que cheguei com 18 km à 1h30 de corrida, o que me abria fantásticas perspectivas.

Com o passar do tempo, desenvolvi aquilo em que sou forte: ganhar tempo com um ritmo constante. 

Graças aos treinos intervalados e, sobretudo, aos fartleks, foi possível manter um ritmo forte e, mais importante, constante. 

No fim, mal me conseguia mexer, mas a ideia de ter feito um splitt negativo (explicarei mais tarde), encheu-me de felicidade.

IMG_20201024_083941.jpg

 

13
Dez20

Um melhor dos melhores em 2020


João Silva

Podia estar a falar concretamente de mim como atleta, mas não, estou longe de ser o melhor dos melhores.

O que trago aqui é um dos melhores treinos que fiz em 2020. Por incrível que pareça, não escolhi nenhum com 42 km. Esses foram bons (à segunda maratona foi um sonho para mim), não minto, mas acabá-los implica muito sofrimento.

Screenshot_20200919_084303_com.runtastic.android.j

Ainda assim, este que vos trago também foi longuinho e foi tão saboroso. Teve um pouco de tudo mas o que me deixou mais feliz foi a resposta do corpo. Comecei-o às 5h28 e atravessei algumas zonas escuras (com algum medo à mistura), isto porque o dia, encoberto pelas nuvens, só decidiu aparecer às 06h51.

Quando já levava 1h30, alguma chuva nos ossos e quase quase 18 km nas pernas, senti que era o dia. Tinha dormido bem (obrigado Mateus, não me posso mesmo queixar e não o estou a fazer) e ainda tinha conseguido tomar um cafezinho antes de começar. Corpo fresco e com energia resultou numa madrugada (com início de manhã) de puro prazer. Claro que a distância neste tempo agradou por representar uma "normalidade" no meu treino, mas o que me espantou foi a paixão que senti em cada fase do percurso, mesmo na ponta final, em que o corpo já tinha algumas dificuldades (nos adutores) para aumentar o ritmo e a chuva apareceu em catadupa.

Houve algo que não mencionei mas que foi muito importante: nos dias anteriores, em que o corpo estava mais cansado, procurei contrariar isso com mudanças de ritmo, fartleks simples, e foi isso que me deu leveza na hora de combater o desgaste normal de um treino longo.

Há sempre um ponto de viragem, um momento em que sentimos que algo cresceu e mudou (para melhor). Senti isso no dia 19 de setembro de 2020.

IMG_20200919_081408.jpg

 

11
Dez20

Dois malucos juntos e dá "asneira"


João Silva

Já passaram algumas semanas, mas não podia deixar mencionar aqui que "acidentalmente" fiz a minha nona maratona (quinta em treinos) no dia 30 de novembro.

Porquê "acidentalmente"? Não sou inocente. Já sabia que o treino seria longo. A isto juntou-se o facto de ter ido treinar pela primeira vez com o muito estimado Zé Carlos.

Num treino no quinto dos infernos, ou seja, em terreno desconhecido para mim, saí de casa às 05h00. Estava longe de imaginar que ia acabar esse domingo com mais uma maratona no corpo. É aqui que entra o "acidentalmente".

Screenshot_20201209_090702_com.geonaute.geonaute.j

O treino foi todo a um ritmo muito confortável, mas quando o tempo começou a apertar e a hora de regressar a casa estava mesmo mesmo a queimar, fiz 30 minutos de uma intensidade que me arrumou o corpo nos dias seguintes. Nessa fase, já ia sozinho.

Fiquei feliz pela distância, mas menos feliz por a ter feito "a frio", sem uma preparação decente por trás. 

09
Dez20

Antevisão de 2021


João Silva

Sem tocar na imprevisibilidade privada, dadas as circunstâncias da Covid-19, em termos desportivos, já pensaram no que pretendem fazer em 2021, caso haja provas com regularidade?

É um exercício dos infernos nesta fase, bem sei, mas, de certo modo, deve ser feito, até porque isso dá um certo alento e propósito a tudo o que vamos fazendo. 

FB_IMG_1574463598979.jpg

Confesso que, primeiro, terei de enfrentar o receio de não ser contaminado numa das provas. Esse será o grande desafio.

Derrubada essa barreira, terei todo o prazer em participar em algumas provas novas. 

Desde logo, gostava de participar nos 15 km distritais em Alba. Além disso, fazer novamente a maratona de Aveiro e a meia maratona da Figueira da Foz. A estas juntar-se-ia a novidade da meia maratona de Guimarães e o GP Bajouca.

Para o primeiro semestre estaríamos conversados. 

Na segunda metade do ano, gostava de voltar ao Bodo em Pombal, à Eco Meia Maratona de Coimbra e de experimentar a meia maratona de Viseu. No mês de outubro, voltaria a participar nas meias maratonas de Coimbra e de Leiria, como forma de preparar a maratona do Porto, único evento que já tenho confirmado para o próximo ano.

Para acabar o ano em beleza, gostava de voltar à São Silvestre de Coimbra e de experimentar a de Aveiro. 

Se acho que farei todas estas? Nem por sombras! Não só por não ser economicamente viável (mais ainda com um filho em casa), mas também por questões de segurança e de agenda.

Acredito, eventualmente, nas duas maratonas e nas duas meias maratonas, que já acontecem em outubro. Se ainda pudesse juntar o campeonato distrital ou a meia maratona da Figueira da Foz, ficava muito feliz. 

No entanto, acredito que, a acontecer, só voltarei a competir em provas em abril, por já ser mais habitual no meu calendário, mas também por uma questão de maior segurança. Não acredito que tudo isto se resolva já em janeiro. 

E desse lado, como se antevê o calendário de provas/treinos? 

 

 

09
Dez20

Antevisão de 2021


João Silva

Sem tocar na imprevisibilidade privada, dadas as circunstâncias da Covid-19, em termos desportivos, já pensaram no que pretendem fazer em 2021, caso haja provas com regularidade?

É um exercício dos infernos nesta fase, bem sei, mas, de certo modo, deve ser feito, até porque isso dá um certo alento e propósito a tudo o que vamos fazendo. 

FB_IMG_1574463598979.jpg

Confesso que, primeiro, terei de enfrentar o receio de não ser contaminado numa das provas. Esse será o grande desafio.

Derrubada essa barreira, terei todo o prazer em participar em algumas provas novas. 

Desde logo, gostava de participar nos 15 km distritais em Alba. Além disso, fazer novamente a maratona de Aveiro e a meia maratona da Figueira da Foz. A estas juntar-se-ia a novidade da meia maratona de Guimarães e o GP Bajouca.

Para o primeiro semestre estaríamos conversados. 

Na segunda metade do ano, gostava de voltar ao Bodo em Pombal, à Eco Meia Maratona de Coimbra e de experimentar a meia maratona de Viseu. No mês de outubro, voltaria a participar nas meias maratonas de Coimbra e de Leiria, como forma de preparar a maratona do Porto, único evento que já tenho confirmado para o próximo ano.

Para acabar o ano em beleza, gostava de voltar à São Silvestre de Coimbra e de experimentar a de Aveiro. 

Se acho que farei todas estas? Nem por sombras! Não só por não ser economicamente viável (mais ainda com um filho em casa), mas também por questões de segurança e de agenda.

Acredito, eventualmente, nas duas maratonas e nas duas meias maratonas, que já acontecem em outubro. Se ainda pudesse juntar o campeonato distrital ou a meia maratona da Figueira da Foz, ficava muito feliz. 

No entanto, acredito que, a acontecer, só voltarei a competir em provas em abril, por já ser mais habitual no meu calendário, mas também por uma questão de maior segurança. Não acredito que tudo isto se resolva já em janeiro. 

E desse lado, como se antevê o calendário de provas/treinos? 

 

 

07
Dez20

Vamos lá reforçar esse músculo


João Silva

Hoje trago algo para vos ajudar na hora de ganhar músculo. Correr não é só mexer pernas e braços com coordenação e rapidez (relativa), tem muito de trabalho muscular. E não é assim tão difícil de fazer quanto se pensa. 

Ou melhor, há formas muito simples de exercitar alguns grupos musculares importantes em casa. Basta pensarem que os abdominais,  pélvis, as ancas e os glúteos são o centro que suporta a parte superior e que faz mexer a parte inferior. Logo, são o grupo mais importante. 

Após verem o vídeo que vos exponho em baixo, perceberão que é muito mais fácil do que se pensa...e sem ser necessário recorrer a ginásio:

 

 

 

 

 

05
Dez20

Quando e como se pode dizer que se tem ou se perdeu a forma?


João Silva

Aqui está uma questão difícil de responder, porque tem um lado muito subjetivo. 

Ainda assim, atrevo-me a dar o meu ponto de vista:

Screenshot_20200912_094240_com.runtastic.android.j

Como referi há bastante tempo, não é um treino bom que me dá a forma nem é um mau que ma tira. 

O que vos parece?

Se, em média, demoramos 4 semanas a assimilar as mudanças dos planos e as inovações dos treinos, não será muito viável avaliar a forma física nesse período. Portanto, só após as 4 semanas conseguimos avaliar se os desempenhos nos treinos mudaram a nossa forma.

Como se trata de um processo contínuo, é igualmente necessário comparar várias sessões de treinos durante, por exemplo, umas duas semanas para verificar se há algum padrão. Nesse sentido, se o padrão sofrer desníveis para cima ou para baixo em muitas sessões daquele período, poderemos dizer que estamos perante uma boa ou má forma. 

Falo-vos no meu caso concreto: no verão que passou, não incuti mudanças técnicas no plano, mas aumentei muito a quilometragem. Nesse sentido, podia dizer que estava em forma, porque consegui correr muitos quilómetros. No entanto, a minha média de ritmo aumentou, ou seja, piorei e precisei de maos tempo para chegar à mesma quilometragem. Portanto, embora não possa dizer que não estava em forma, posso afirmar que houve um declínio a certa altura e que o corpo não teve uma performance tão boa. 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub