Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

31
Out20

O mês de setembro visto ao longe


João Silva

Nem de propósito, terminamos as análises ao desempenho nos últimos três meses no último dia do mês. Gosto destas "coincidências". 

Screenshot_20200930_071235_com.runtastic.android.j

O último mês de verão tornou-se em mais um momento assinalável.

Foi o mês em que fiz a minha sétima maratona (a quarta en treinos) e também o segundo com mais quilómetros corridos na minha vida. Além disso, como se não bastasse, marcou também uma alteração no sistema e na hora dos treinos, já que tive de me ajustar a novos desafios pessoais, o que redundou em acordares permanentes às 5h00. E que mágico é correr a essa hora. Um prazer, genuinamente.

A terminar, apesar de me ter faltado o gás nos últimos três dias do mês, ainda deu para passar os 670 km de corrida e para voltar a perceber que o corpo reage bem a alguns esticões. Foi isso que me mostrou que continua a ser possível sair de situações de habituação do corpo. E, do mesmo modo, que tudo depende da nossa atitude perante os imprevistos.

Este mês de outubro já foi muito mais condicionado (para melhor) pelo desempenho geral do verão.

Se doeu? Voltava a fazer tudo igual.

Screenshot_20200906_093054_com.runtastic.android.j

 

29
Out20

Mais uma! Aí vão sete!


João Silva

Prometi há dois dias e aqui fica a resposta: sim, decidi dar um passo em frente e saltei o treino intermédio de 3h30. Decidi tentar fazer logo a maratona e previ uma média de 4 horas. 

Este ano tem sido muito atípico e quando defini os 42,195 km como objetivo em setembro foi para tentar cumprir essa distância mais uma vez, não foi para tentar bater recordes de tempo. 

Na última maratona oficial, em novembro de 2019 no Porto, tinha feito 3h21m.

 

Agora sabia que não daria para isso, mas acreditava que dava para ficar dentro das 4 horas. 

Armadilhado até aos dentes com três refletores e um frontal com alcance de 25 m, levantei-me às 5h00 da manhã. Era bem de noite. 

Fiz o percurso que tinha traçado nos dias anteriores e correu tudo bem. 

Claro que senti o cansaço muito cedo. O volume de treinos desde o verão foi muito alto. 

Cheguei ao fim de rastos, sem energia para mais, mas com a certeza de que dentro de um mês estarei a fazer a segunda maratona em treinos. 

Foi a sétima vez que fiz mais de 42 km, portanto, a maratona. Três oficiais e quatro oficiosas. 

Venha a próxima. 

Screenshot_20200906_093054_com.runtastic.android.j

 

 

 

 

 

27
Out20

Um passo maior do que a perna?


João Silva

Em agosto, como referi há uns dias, fiz um treino de 3h como preparação para a maratona de treino que queria fazer.

2020-06-22_08_32_26_698.jpg

Em 3h tinha feito 34,500 km e fiquei a pensar que dava logo ali para chegar aos 42 km, mas não o fiz.

Na semana seguinte, tinha previsto fazer 3h30 para me aproximar dos 42 km.

Tinha feito assim nos outros anos. 

No entanto, desta vez sentia que podia passar logo para os 42 km em vez de fazer um treino intermédio. 

No ano passado, quando tentei este passo, tive de parar aos 36 km, devido a má gestão de tempo e ritmo e ao muito calor. 

E desta vez? 

Passei logo para os 42 km ou fiz um intermédio? 

 

 

 

 

 

Daqui a dois dias darei a resposta. 

25
Out20

O mês de agosto visto ao longe


João Silva

Com os "chacras" plenamente alinhados e a trabalhar para os 42 km em setembro, o mês de agosto foi um sonho.

Doloroso, devo confessar, mas absolutamente transcendente. 

Tinha ficado às portas dos 600 km em julho. Antes disso, só em janeiro tinha conseguido ultrapassar a barreira em causa. 

Screenshot_20200901_074127_com.runtastic.android.j

Não só fiz mais de 600 km como cheguei mesmo aos 700 km. 

Nem sei descrever bem o que me ia na alma. Vazia não ficou, isso de certeza.

Foram precisas 60 horas e acordares de madrugada, sempre às 5h30 da manhã, para conseguir ter algum controlo sobre todas as responsabilidades. 

Não sei se mais alguma vez na vida conseguirei tanta quilometragem num só mês, até porque a estrutura dos meus treinos mudou um pouco desde finais de setembro. 

Ainda assim, sinto que consegui algo duro e que nem todos se prestam a fazer. Nem têm, mas este era um desafio que tinha traçado para mim. 

Já se pode colocar o visto, portanto. 

Screenshot_20200831_080920_com.runtastic.android.j

 

23
Out20

A barreira das três horas


João Silva

Numa fase em que os meus treinos de corrida eram todos os dias de 2 horas em julho, agosto e setembro, houve uma altura em que apertei ainda mais, isto porque comecei a aumentar a duração em meia hora até chegar às 4h, tempo estimado para a maratona de treino.
Apesar de terem custado, as 2h30 foram-se fazendo e até ganhei um bom ritmo.
Onde senti mais dificuldade foi na fase em que decidi voltar às 3 horas.

Foram mais de cinco meses sem chegar a corridas dessas duração.
Apesar de muito cansado, fisicamente, estava bem, mas psicologicamente sentia que era um salto grande, o que me fez hesitar, confesso.


Mas lá me decidi e fiz o dito treino. No último fim de semana de agosto.

Screenshot_20200830_195504_com.runtastic.android.j

Estava nervoso antes de começar, devo confessar. Mas rapidamente isso passou. O meu filhote teve um papel decisivo ao deixar-nos dormir relativamente bem na noite anterior. Estava fresquíssimo, parecia que dormia sempre. 

Comecei devagar, não olhei aos ritmos, porque o meu propósito era chegar à marca em causa. 

Cheguei feliz a casa, cansadíssimo, mas com energia para mais. Senti ali que, se tivesse insistido mais, teria mesmo chegado aos mágicos 42 km naquele dia. Mas cada coisa a seu tempo, pensei. E até desfrutei, vejam lá!!

Os alicerces estavam finalmente lançados. 

Friso ainda a importância da água e do tempo. A primeira foi-me mantendo sempre hidratado. O segundo não abusou no calor. 

21
Out20

Aquela prova revivida II


João Silva

IMG_20191020_094555.jpg

Nesta senda de reviver o que de melhor me aconteceu nas provas de 2019, não podia contornar a meia maratona de Coimbra. 

Foi um dia de sonho em termos desportivos. Ia com uma estratégia muito bem definida: começar muito forte para depois aguentar a parte de plano que surgia na segunda metade. 

Já lá vamos ao desempenho. Antes disso, foi tempo de beber um pouco do ambiente e de trocar impressões com o estimado Ricardo Veiga (foto de cima). Naquela fase, já era um habitué em provas em conjunto. 

IMG_20191020_114141.jpg

Quanto ao desempenho propriamente dito: dei tudo o que tinha. Não havia muito mais após a chegada à meta. 

Arranquei forte como nunca e foi aí que aprendi o verdadeiro sentido de aproveitar uma descida numa prova.

Contrariamente ao que o relógio dizia a dada altura, o meu corpo estava a dizer-me que dva para ficar bem abaixo de 1h30.

IMG_20191020_113820.jpg

Para ficar abaixo dessa marca, como veio a acontecer, tive de ir buscar as minhas reservas. Não era assim tão fácil. 

Foi com base nesse último esforço e com o meu pequeno (que já estava a caminho) que me consegui motivar ainda mais. Fiz 1h29.

Dá para melhorar, mas já foi recorde pessoal absoluto. 

IMG_20191020_094906.jpg

Esta foi uma prova em que a motivação e a energia positiva que levei no corpo ditaram a minha sorte ao cruzar a meta. 

20
Out20

De suster a respiração


João Silva

Screenshot_20201019_083108_com.google.android.yout

 

Foto retirada do canal do YouTube do Eurosport 

Hoje abro uma exceção no agendamento das publicações aqui no blogue. O momento assim o exige.

Num ano tão estranho, não deixa de ser fantástico aquilo a que estamos a assistir no ciclismo versão 2020. 

Primeiro foi uma vitória épica de um esloveno sobre outro no Tour de France. 

Agora é um jovem, por sinal, português que eleva este desporto que tanto adoro a um novo patamar. 

Quem segue ciclismo de forma regular, já ouviu falar no jovem João Almeida. 

Quem acompanha o Giro e viu o seu desempenho no passado domingo só pode ficar grato por ter assistido à beleza mais pura do desporto.

Muitos falarão no João porque é moda, muitos ficarão tristes se (quando?) perder a camisola rosa, mas alguns verão um homem que, não sendo um favorito à vitória final, lutou até não poder mais. E mesmo quando não pôde, o João foi buscar força que não tinha para não perder a rosa.

Quando começou a descolar do grupo da frente, que fez uma prova de sonho para fazer lhe tirar rosa, o jovem das Caldas não se deixou intimidar, mesmo quando já não tinha nenhum colega de equipa para ajudar. Pior ainda, não havia ali ninguém por perto para fazer a ponte com o trio da frente.

O João mostrou a língua, deixou que o cansaço viesse ao rosto, mas foi isso que fez dele um grande. 

No fim, segurou a rosa por 15 segundos. Entra na terceira semana como líder. 

Se perder a rosa, o que é provável face à qualidade do segundo classificado e da sua equipa, poucos se lembrarão do passado dia 18 de outubro. Com o meu filho ao colo e preso ao ecrã, lembrar-me-ei que sustive a minha respiração e que senti um enorme nó no estômago ao ver um compatriota empurrar um pouco mais os limites do possível. Vi ser feita história no ciclismo do meu país e vi o Acácio da Silva, o Joaquim Agostinho, o José Azevedo, o Sérgio Paulinho e o Rui Costa da minha geração.

Vi e vibrei ao som dos apaixonados da Eurosport como o desporto é, de facto, uma obra do querer. 

19
Out20

Uma entrada de sonho


João Silva

Sim, falo de comida.
De uma entradinha bem quentinha para aquecer o coração e muito ligeira para não sobrecarregar na dose do prato principal.
É mesmo muito simples e penso que a inspiração veio de uma receita da Filipa Gomes.
Basicamente, compram uma beringela, cortam-na previamente em rodelas grossas, colocam sal num dos lados de cada rodela, tudo isto, sobre papel de cozinha. Daí a um bom bocado, viram as rodelas e fazem o mesmo do outro lado.
Mais uns minutos (mais de 10) volvidos e toca a cortar rodelas de tomate e de queijo de cabra em rolo na mesma quantidade da beringela.
Começam a empilhar da seguinte forma: rodela de beringela, rodela de tomate e depois de queijo. Retomam uma rodela de beringela por cima, repetem o tomate e o queijo. Usa-se um ramo de alecrim para atravessar a pilha até à extremidade, leva-se ao forno durante 30 minutos a 18 graus e voilà, uma entrada de fazer crescer água na boca.

IMG_20200801_125712.jpg

 

17
Out20

A melhor receita nasce da criatividade


João Silva

IMG_20200731_111521.jpg

 

Foi assim que aconteceu (não, não é a série que prometeu muito e que acabou por ser um fiasco na parte final). Foi mesmo assim que aconteceu.
Na altura do meu aniversário, a Diana decidiu fazer-me um miminho e fê-lo da melhor forma possível: pegou em ingredientes que eu adoro e criou uma verdadeira delícia.
Portanto, derreteu chocolate negro em banho-maria, depois meteu amêndoas sem pele dentro de tâmaras descascadas e, por fim, mergulhou-as no chocolate e levou-as 2 horas ao frigorífico.
Ficou absolutamente divinal. O que eu me deliciei!

IMG_20200731_111455.jpg

 

 

15
Out20

Isto é que têm cá uma Vitality!


João Silva

Este ano tinha mesmo de experimentar.
Todos os anos sofro imenso com bolhas entre os dedos, com unhas partidas e com os pés doridos. Tudo isto por causa das sapatilhas e do calor.
Normalmente, calço o 43. No resto do ano, esse número de calçado de corrida serve perfeitamente.
Depois de ouvir algumas opiniões de colegas de equipa e de ler um artigo no blogue De sedentário a maratonista, percebi que o problema poderia estar no número.
Diz quem sabe mais do que eu que o ideal seria ter um número acima.
Assim fiz.
Comprei umas Joma Vitality na Sport Zone.
Custaram 19,90 €, mas estavam em promoção. Normalmente, seriam mais caras uns 10 euros.
Gostei da cor azul e dos tons amarelados.
A sapatilha é robusta e um pouco pesada, confesso que requer alguma adaptação. O rasto é muito bom, isto é, adere bem ao piso, mas a goma da sola desgasta-se muito depressa (para a realidade de quem faz mais de 100 km por semana), sobretudo, para quem tem passada pronada (desgaste maior na parte de fora do calcanhar).
O revestimento interior é acolchoado e ajuda a aconchegar bem o pé.
Este revestimento e também o acabamento exterior fazem com que não haja tanta respiração na parte de cima da sapatilha.
Por último, tem um bom amortecimento. A marca fala em 10 mm e a verdade é que não parece estar longe.
Foi toda uma nova adaptação, sobretudo, ao peso. Durante um treino de duas horas, faz claramente diferença.
Ainda assim, o pé adaptou-se e, após alguns dias à procura da melhor forma de encaixar numa sapatilha com uma folga maior do que o habitual na parte da frente, aprendeu a pousar no asfalto.
Dito isto, recomendo, essencialmente, a quem faz uma média de 5 a 10 km por dia.

IMG_20200827_053711.jpg

IMG_20200827_053655.jpg

IMG_20200827_053726.jpg

 

 

 

13
Out20

Aquela prova revivida


João Silva

Há relativamente pouco tempo, lembrei-me de assinalar alguns momentos mágicos que vivi em termos desportivos em 2019. 

Curiosamente, as cinco melhores provas que tive desenrolaram-se na segunda metade do ano.

Destas cinco, houve quatro mágicas para mim. 

A primeira aconteceu na meia maratona de Leiria. 

Primeiro aspeto positivo, o café e a conversa com os meus cunhados. Seguiu-se o encontro e o aquecimento com o muito estimado (e sempre algo nervoso antes das provas) João Lima. 

Foi a primeira meia maratona (após muito tempo) em que voltei a estar perto de baixar da 1h30. 

Na verdade, fiz 1h30 e uns pozinhos, que já não consegui tirar num ultimo esforço. 

Voltei a sentir que estava bem e que estava pronto para a maratona do Porto. 

O corpo respondeu mesmo muito bem a tudo o que lhe pedi. Até mesmo à fase mais dura da segunda parte da prova. 

Um dia que me deixou muitas saudades...mas o melhor ainda estava para vir

IMG_20191013_093413.jpg

IMG_20191013_095127.jpg

IMG_20191013_094102.jpg

IMG_20191013_094724.jpg

 

 

11
Out20

Passar da marca e deixar o "bicho" pegar


João Silva

Screenshot_20200901_075649_com.geonaute.geonaute.j

 

Cerca de 5 meses depois, voltei a correr 2h30.
É verdade que já foi em agosto, mas foi daqueles momentos em que sentimos a mudança.
Estava no arranque da preparação para a maratona de treino que queria fazer em setembro e foi aquela sacudidela nos treinos que fez o corpo perceber que estava pronto para novos desafios.
As sessões até então tinham sido sempre de 2h00 diárias e por muito que isso pareça absurdo, o corpo habituou-se a não sair desse modo.
O esticão até às 2h30 despertou novas sensações e dores, que serviram para dar o impulso final até aos 42 km de setembro.

Screenshot_20200901_075700_com.geonaute.geonaute.j

 

09
Out20

Meus queridos 11 dias loucos


João Silva

Nunca tinha feito tal coisa, embora já me tivesse aproximado nas semanas anteriores do dito desafio: de 30 de Julho a 09 de agosto, fiz todos os dias 2 horas de corrida (a 8 e a 9 de agosto fiz 2h20 e 2h30) numa média de 24 km diários. Foi, sem dúvida, um desafio enorme em termos físicos.


Honestamente, em termos mentais estava bem, não me custou propriamente, até porque queria ver se conseguia fazer mais de 200 km seguidos. Esse combustível ajudou a atenuar o desgaste físico que foi enorme. Ainda assim, garanto que falo verdade, adorei a experiência e consegui sentir novamente aquela adrenalina de chegar a distâncias ainda mais longas. A primeira vez que voltei às 2h30 após 5 meses foi um excelente indicador.

Screenshot_20201009_093643_com.runtastic.android.j

 

Screenshot_20200901_080609_com.geonaute.geonaute.j

 

 

07
Out20

O mês de julho visto ao longe


João Silva

Em relação ao mês de junho, o de julho marcou o início de uma grande (ainda maior) intensidade de treinos.
Toquei quase nos 600 km na estrada. Faltou pouco, mas, ainda assim, foram mais de 100 km a mais em relação a junho.


Foi também nesta fase que decidi que queria fazer mais uma maratona em treino até setembro, pelo que acabei por descurar os treinos técnicos de velocidade e cadência e procurei meter km nas pernas.


Meti também algumas dores e ganhei um humor de cão pela acumulação de tudo na minha vida nesta fase, mas tirei um enorme prazer dos sítios que "visitei" e dos inúmeros animais que fui vendo, sempre de madrugada.


Sim, foi levantar todos os dias às 5h30 para conseguir fazer tudo em condições.


E, mais uma vez, julho mostrou que os meses de verão são uma delícia para progredir nos treinos.

Screenshot_20200831_080910_com.runtastic.android.j

 

05
Out20

O Último desafiou e eu nem hesitei


João Silva

Ora bem, o muito estimado Último comentou um dos meus textos e deixou lá uma "encomenda" para mim há muito tempo: explicar em que medida a impossibilidade de participar em provas como meias maratonas mudou a minha forma de treinar. Perguntar a um cego se ele quer ver, portanto.

Muito tempo depois, porque  a paternidade não deixou antes. 


Podia dizer que não tinha afetado e que tina continuado tudo na mesma.
Na verdade, afetou, porque deixou de haver uma preparação específica.


O caso do adiamento da maratona do Porto ajudou a retirar importância à ausência das outras provas.
No entanto, sendo honesto, este meu 2020 já era visto como um ano de transição.


Com o Mateus a caminho, já sabia que não ia poder competir muito, logo, não ia ser muito afetado!


E como comigo as coisas dão a volta, acabei por treinar o dobro, sem grandes restrições e por usufruir de momentos maravilhosos na natureza. Felizmente, não rejo os meus planos pelas provas, ou seja, não fiquei limitado, "a pé", portanto.


Na eventualidade de fazer a maratona do Porto, caso não tivesse sido anulada, estava a pensar fazer umas duas ou três meias maratonas de preparação. Todavia, depois da disseminação da pandemia, já sentia que não seria assim.


Resumindo a ideia base: deixa-me entristecido não poder fazer meias maratonas nos próximos meses porque são sempre provas muito agradáveis. No entanto, desde janeiro deste ano que já estava a treinar sem contar com isso, pelo que a pandemia nada alterou a esse nível.
Sabendo que não iria competir, o meu objetivo passava por acumular o maior número de km possível. Queria passar os mais de 4000 km que corri em 2019.
Tanto assim é que acabei por não treinar tanto a técnica e por apostar mais na resistência e nos treinos longos.
Estava tudo bem encarreirado, mas depois foi obrigatório recolher e aí afetou mais.
Continuei a treinar, mas em casa. Só voltei a correr a sério no finalzinho de maio.

Ainda assim, como se pode ver na imagem (só tem os dados até agosto), não corri tão pouco como isso.

Screenshot_20200831_080910_com.runtastic.android.j

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D