Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
03
Mai20

Treinador até quando?


João Silva

Uma vez mais, este "material" de trabalho veio da audição de podcasts.

E, invariavelmente, surgiu de um áudio sobre ciclismo.

A dada altura, um dos treinadores referiu que o grande objetivo dele era treinar a filha até que ela chegasse ao ponto em que não precisaria mais dele para evoluir mas escolheria continuar com a colaboração.

De seguida, o outro elemento participante no debate referiu que a maioria dos profissionais sabe o que fazer em termos de treino e que o treinador acaba por servir como agregador, motivador e disciplinador.

Sem dúvida que fiquei intrigado com estes dois pontos de vista.

E, na verdade, consigo perceber bem a ideia: dar-nos as ferramentas para que saibamos como podemos evoluir.

Dou um exemplo onde a presença de um treinador se revela importante: na leitura dos dados dos treinos. Mais do que ver os números objetivos e por vezes cruéis, o treinador vê a evolução e procura transmitir essa ideia ao atleta.

Portanto, em jeito de conclusão, diria mesmo que esse pode ser o lado mais importante do treinador: fazer acreditar que o trabalho é bem feito nos dias em que o desempenho não é o melhor.

Como disse um deles a dada altura: é impossível ter treinos de topo todos os dias.

Não tenho treinador e, honestamente, dificilmente virei a ter, já que gosto de evoluir por mim e sem pressões externas. Já bem basta as que coloco em mim. Ainda assim, reconheço por inteiro a necessidade de contar com um elemento capaz de disciplinar e, no meu caso, de puxar o travão quando começam a aparecer excessos.

Posto isso: faz sentido manter um treinador para sempre ou há uma altura para abdicar dos serviços?

IMG_20190824_081116.jpg

 

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub