Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
25
Dez19

1, 2, 3, uma entrevista de cada vez (2.ª parte)


João Silva

(Antes de mais, feliz natal a todos, em especial aos bravos que tiraram uns minutinhos para vir aqui. Conforme prometido, deixo-vos hoje com a conclusão da história do estimado Ricardo Veiga. Sem querer influenciar a vossa opinião, o testemunho dele é qualquer coisa de assombroso (pelo lado positivo). E é por isso que é para mim uma honra conceder-lhe esta atenção numa época tão especial de renascimento. Porque também ele renasceu das "cinzas". Deliciem-se com a segunda parte.)

20191020_094531.jpg

 

 

 

 

 

 

  • Diferenças existentes entre o atletismo passado e atual

Para o nível que pratico? Vou dizer "nenhumas": sapatilhas, calções, tshirt e, no mínimo, um relógio de ponteiros para não perder a hora de almoço são essenciais. Hoje há mais gente na rua a correr e muito povo nas provas, antes apenas viam. Noutro nível, sim, as diferenças são abismais, principalmente no que hoje se sabe a mais sobre o corpo humano e os efeitos que a alimentação tem nele, embora me deixe muito contente, um contente rebelde, note-se, que ainda haja marcas antigas para serem batidas.

  • Histórias insólitas, curiosas ou inéditas

Tenho muitas. Desde a história que me levou a começar a correr, às mil e uma peripécias pelas quais passei ou que testemunhei nestes dois anos.
No entanto o que mais gravado me fica são as fotografias mentais do meu estado emocional em alguns momentos de prova, treino ou aventura. Fosse eu pintor...

  • Aventura marcante

Tenho muitas. Desde um RP (recorde pessoal) dos 10 km às 19h00 ainda de direta de uma maluqueira de copos e engate, ténis desapertados e rebolão no chão a 01 km da meta, à pequena loucura que é fazer sozinho, de noite/madrugada, Coimbra->Figueira por um caminho que não conhecia.

Marcante? Caramba, a primeira vez que corri mais de 05 km, ou quando me estreei depois dos 10 e só parei aos 19 km porque me sentia bem e então a ideia de continuar passou do "posso continuar" para o "tem que ser, tem que ser".
 
A maratona do Porto de 2018, com uma gigantesca entorse fresquinha de três dias. Treino na quinta-feira, 01 km de trail completamente inofensivo e pimba: tornozelo torcido, cheio de dores e imediatamente inchado para fora da sapatilha. Muito chorei em casa nessa tarde enquanto esperava pela Ema Sofia para fazer magia no pé. Chorava de desilusão, queria tanto correr a minha primeira maratona, e chorava de dor, tinha feito o que o médico tinha mandado e não o que a Ema tinha ordenado: "não pares o pé!" mas como tinha adormecido no sofá com o tornozelo levantado, já não o consegui poisar no chão sem berrar que nem um bebé...
20x30-BCNR5736-01.jpeg
 
A sobrehumana Ema Sofia conseguiu-me então pôr "fight ready" com um "queres ser feliz? vais correr a maratona e vais ser feliz" e lá fui eu com o pé impecável, depois de muita "mezinha" nas duas noites anteriores, ligado e com a promessa de que teria que o soltar assim que passasse a meta. Correu bem, fui feliz e acabei a prova em menos de 4 horas, ria e chorava a subir para aquela meta. 
Também Barcelona 2019 foi uma linda aventura, foi a prova mais fantástica que poderia fazer.
 
A muito recente meia maratona de Coimbra onde, após falarmos na partida, resolvi não olhar para o relógio e dar tudo, desse o que desse. E, Deus meu, como deu...06 minutos melhor que o meu melhor. Bati os meus melhores 05 e 10 km numa prova de 21. Que tal?

Claro que a mesma estratégia não resulta sempre: vide a maratona do Porto, 15 dias depois, em que perdi completamente o respeito à distância e fui merecidamente trucidado pela mesma.
Sou um tipo de momentos e corro também para coleccionar aventuras. Ficam comigo para sempre. A corrida faz-me entrar numa realidade paralela sem igual, tudo lá faz sentido, é tudo meu.

Tenho algo como verdade absoluta: há sempre mais corridas. Sempre.

IMG_20181112_232027_216.jpg

 

  • Participação em prova mais longa

As maratonas que fiz, a par do Coimbra-Figueira que hei de repetir em breve por um caminho mais longo mas mais simples.

  • Objetivos pessoais futuros

Para já necessito urgentemente de ter registado menos de 03h45 numa maratona, como vimos há semanas. Necessitava tanto que apontei para as 03h30 com o estrondo que ambos vimos (para todos os outros: estouro e consequente desistência).
Está marcado para fevereiro. Prometo ter calma...

  • Como vê o atletismo daqui a 5 anos

O atletismo irá continuar a evoluir como a sociedade faz evoluir determinado grupo de indivíduos que cedo se especializam em alguma atividade desportiva. Se alguém novito hoje, predisposto para um foco, resiliencia e ética de trabalho acima da média tiver aliado uma boa componente genética, terá tudo para evoluir como outros não conseguiram noutras épocas. O avanço científico é grande de mais para que isto não seja verdade.

DSC_0049_7.JPG

  • Como se vê no atletismo daqui a 5 anos

De preferência a fazer parte dele, tal como hoje. Também no sofá a chorar baba e ranho quando assisto a provas ou simplesmente chegadas, tal como hoje também já acontece sempre.
Agora a sério: quero muito experimentar triatlo, penso que terei condições de o fazer convenientemente daqui a um ano, ano e meio. Falta a bicicleta e meter-me na natação mas, o que são 2/3? Nada.

Continuar a emagrecer devagar e com cabeça (comecei com 100, vou nos 91), a ganhar força e a cuidar dos meus fracos e asmáticos pulmões que obriguei a papar fumo por mais de 25 anos. Chegarei lá mas a ideia é que seja sempre um "work in progress", não há lugar para esse tipo de conforto na minha vida.

share_image_1572802780235.jpg

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub