Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

De novembro de 2016 até agora, passei de 118 kg a 66 kg graças à corrida e à reeducação alimentar. Desde então, o contador vai em 40 provas: 20 x 10 km, 7 trails, 10 meias maratonas e 3 maratonas.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

14
Nov19

Não foi por acaso que morreu no fim


João Silva

20181104_131128.jpg

Já foi há alguns dias, malta porreiraça, que realizei mais um sonho bom. Voltei a uma cidade que me faz e fez muito feliz, a uma região que me diz muito e a uma prova que representa o meu maior desafio como atleta e homem por tudo o que lhe está inerente.

IMG_20181104_075847.jpg

Em jeito de conclusão do capítulo, vou dar-vos a conhecer um pouco da história por detrás da distância mítica e verão no fim a curiosidade que marcou o episódio e que acaba por ser um símbolo do que acontece na prova.

IMG_20181104_080202.jpg

O início da lenda tem lugar no ano de 490 a. C. na Grécia, quando um soldado, de seu nome Pheidippidis, foi enviado pelo general Milcíadis para, a correr, fazer uma distância de aproximadamente 40 km entre as cidades de Maratona e de Atenas para informar as mulheres atenienses de que tinham ganho a batalha contra os Persas. E porquê? Porque os soldados atenienses tinham deixado às suas mulheres a ordem para se matarem, bem como aos respetivos filhos, caso aqueles não regressassem da guera.

Ora, como a batalha demorou mais do que o previsto, apesar de os gregos ganharem, havia o receio de que as mulheres cumprissem as ordem.

O esforço do soldado foi de tal ordem que só teve hipótese de dizer "Vencemos" no momento em que chegou a Atenas, tendo falecido de imediato.

IMG_20181104_081425.jpg

Para homenagear o esforço do dito soldado, nos primeiros Jogos Olímpicos da era moderna, em 1896, criou-se a prova denominada maratona, com a distância aproximada de 40 km. Curioso o facto de a distância não ter sido encarada como fixa, cada organização estipulava uma distância a seu belo gosto.

IMG_20181104_133925_900.jpg

Em 1908, nos Jogos Olímpicos de Londres, a distância foi finalmente fixada nos 42,195 km. E porquê? Porque as excelências monárquicas de Inglaterra queriam ver a partida da prova, mas não queriam assar as virilhas para se deslocar para fora do Castelo de Windsor. E assim nasceu a distância mítica.

Para nós portugueses, a maratona começou por ter um lado muito triste, isto porque em 1912, na maratona de Estocolmo (Suécia) o atleta Francisco Lázaro morreu em plena prova. 

Mais tarde, em 1985, em Roterdão, o grandioso Carlos Lopes venceu a prova com o tempo de 02h07'12''.

received_2009092635809989.jpeg

Não deixa de ser relevante o facto de a prova estar associada a tanto sofrimento. Quem já a fez ou já treinou para a fazer sabe perfeitamente que é preciso ir ao inferno e voltar. É um desafio maior do que nós, mas que vale a pena tentar. É possível e executável!

 

Fontes consultadas para a história:

https://www.jn.pt/desporto/especial/interior/a-verdadeira-historia-dos-42-195-metros-arrancou-em-windsor-9358453.html

https://www.infopedia.pt/$maratona

https://www.infoescola.com/esportes/maratona/

13
Nov19

Sem açúcar adicionado é impossível


João Silva

classificação prova (14).jpg

Meus caros, sou um teimoso inveterado em muitas coisas e não é por cliché que aponto a teimosia como um dos meus defeitos.

Desde há uns valentes meses a esta parte, meti na cabeça que ia deixar de abastecer com barras de geltinas em treinos acima de 2 horas e que o ia tentar fazer na maratona.

Em relação aos treinos, como adotei um sistema de inclusão de muitos treinos superiores as 2 horas, também com o auxílio da água consegui lidar bem com essa questão. O meu corpo aguenta bem e num ritmo bastante satisfatório.

Nos treinos até 03h20, também já consegui fazê-lo, embora tenha chegado ao fim completamente esgotado, mesmo tendo bebido água de forma faseada, por exemplo, a cada 10-15 minutos.

O problema é que, apesar de fazer milagres, a água não impede a acumulação de cansaço e quem já fez treinos ou provas muito longos sabe muito bem que o corpo se começa a ressentir.

Da experiência que já vou tendo, é a partir dos 30 km que tudo acontece, mas a ingestão de sólidos não pode ser guardada apenas para essa fase. Tem de ser um processo de acumulação. E é aqui que as barras de gelatina atuam no seu melhor: graças à maltodextrina, reduzem a sensação de fadiga, além de ajudarem no controlo das cãibras, já que oferecem um belo aporte de glicose aos músculos, que é a sua fonte de energia.

Portanto, findas todas as experiências, percebi a meio de setembro que não podia abdicar das ditas na maratona. E não se trata apenas de prestação desportiva, trata-se da sensação de que não acabaria uma prova dessas sem um sólido do género.

Porém, e isso foi um enorme ganho dos últimos meses, como a gestão do ritmo é diferente e se trata de uma prova longa, é possível reduzir a quantidade de gelatinas a ingerir. Nada contra quem o faz, mas meti na cabeça que quero o meu corpo livre dessas coisas, já me chegou os "maus tratos" que lhe dei dos 18 aos 28 anos. Resumindo: sim, tive de ingerir barras de gelatina, mas o mínimo "aceitável" para me permitir acabar bem a prova.

12
Nov19

O que mudou de novembro de 2018 para novembro de 2019


João Silva

IMG_20190913_080744.jpg

No fundo, o meu propósito com este texto não é tanto falar no mês de novembro em 2018 e em 2019 mas sim no processo de treinos e do longão de 42 km que antecederam as maratonas no Porto.

42 km em circuito, setembro de 2018.png

Foto: treino de 42,250 km em 2018

TREINO 42 KM, 13.09.19, ONMOVE.jpg

Foto: treino de 42,250 km em 2019

Desde logo, olhando para as imagens dos treinos em causa (acima), é curioso perceber que calharam na mesma semana de setembro e, na verdade, os motivos foram semelhantes: depois desta semana, começava a ser muito complicado ter um treino tão longo e duro porque iria retirar frescura para os treinos e para as provas em si.

Em 2018, tentei fazê-lo em agosto, mas o excesso de calor dificultou tudo e, curiosamente, um ou dois meses antes, tinha sofrido alguns contratempos nos treinos longos superiores a 30 km. No dia 15 de setembro, lembro-me que fiz o treino com um tempo muito fresco e um nevoeiro cerrado e bem cedo pela manhã. Além disso, fruto das dificuldades e das dúvidas que começava a sentir, tracei um percurso em circuito, com três voltas ao mesmo, o que acabou por ajudar bastante no tempo alcançado. Ainda outro aspeto interessante: durante aquele ano andei com "paninhos quentes" e geri treinos e afins, procurando andar mais "poupado".

Este ano, talvez pelas contrariedades dos primeiros seis meses do ano, o conhecimento é muito mais denso: de mim, das minhas capacidades, dos meus limites, das necessidades de abastecimento e das especificidades de abastecimento. Quando fiz este treino a 13 de setembro agora em 2019, já andava a carregar muito, com um acumulado de 403 km em julho e um de 470 km em agosto. Estava bem "oleado" e na semana do treino fiz uma sessão de técnicas de corrida. A diferença em termos de tempo, deveu-se sobretudo às maiores dificuldades do percurso, que não foi em circuito. E, pior no meio disto tudo, enfrentei temperaturas na ordem dos 30 graus. Foi complicado, mas senti que dominei bem e fiz o que procurava: acabar mais um treino de 42 km.

Isso é crucial para mim, no sentido em que ajuda a ter uma noção exata do meu corpo. Por ter querido fazer tudo muito rápido e a um ritmo muito elevado em julho e agosto, "falhei" duas oportunidades "inventadas" (decidi à última hora que ia tentar os 42 km nesses treinos) e senti que a minha cabeça estava a começar a criar um problema e uma dúvida que não existia.

No fim de contas, consegui tempos muito próximos e, tenho percebido isso com o tempo, em princípio, dará para tirar cerca de dez a quinze minutos ao tempo de treino no dia da prova.

Apesar das semelhanças, os processos foram diferentes e, sinceramente, achei que melhorei muito em 2019, não deixando, contudo, de registar que, tal como neste ano, também no ano passado atravessei um período inicial de muitas dúvidas e dificuldades.

 

11
Nov19

As mudanças necessárias


João Silva

Ontem falei-vos da redução da carga no mês de outubro e da importância que isso teve no meu desempenho nas provas.

O dito mês é, na minha opinião, o mês mais importante da preparação, isto porque teria tudo a perder e nada a ganhar. O mês anterior a uma prova da dimensão de uma maratona pode prejudicar o nosso desempenho, se fizermos asneira.

O que me propus a fazer foi, antes de mais, reduzir o volume de treinos. 

Fiz menos longões e rampas, mas mantive algumas sessões de velocidade para não descurar o ritmo nem a cadência.

classificação prova (72).jpg

Ao nível do reforço, para não massacrar os tendões ou as articulações, reduzi o nível de treino de saltos.

Como complemento, aumentei alongamentos profundos e sessões de ioga. O propósito era bem claro: relaxar o corpo e dar elasticidade.

A tudo isto, claro está, não podia faltar a meditação, para me relaxar a alma.

E desse lado, o que fazem nas vésperas de uma prova importante? 

10
Nov19

Gala laranja


João Silva

Na passada sexta, foi dia de encerrar a época 18/19 e de começar a nova temporada.
Como dizia a minha avó: rei morto, rei posto.
E como fizemos isso na ARCD? Com uma bela jantarada entre todos os membros da equipa, como forma de receber os novos e de saudar quem vai para outras andanças. Naturalmente que esse é sempre o lado mais triste, porque o ciclo não continua com os mesmos, mas ficam as boas memórias e os conhecimentos.
Quanto aos novos, é bom poder criar já bons alicerces para o futuro.

Para terminar, deixo algumas imagens para vos darem uma bela ideia do que foi aquele momento de convívio.

Venham mais momentos destes:

IMG_20191108_222050.jpg

IMG_20191108_221251.jpg

IMG_20191108_211502.jpg

IMG_20191108_210442.jpg

IMG_20191108_204700.jpg

IMG_20191108_204615.jpg

 

09
Nov19

Um dia tão especial quanto longo


João Silva

Não consigo partilhar convosco todas as emoções que tive nesta maratona. Dentro do possível, vou procurar recriar uma parte dessa euforia com fotos. Digo-vos que seria difícil pedir melhor. Fico grato pelas pessoas que encontrei e pelas boas conversas que tive com velhos amigos destas andanças. Fica um certo "amargo" por não ter contado com a presença da minha querida Diana, mas outros valores se levantaram. Foi mais importante ter repouso e fica para outras alturas.

image.jpg

 

IMG_20191103_074603.jpg

IMG_20191103_083938.jpg

IMG_20191103_081319.jpg

IMG_20191103_081312.jpg

IMG_20191103_080950.jpg

IMG_20191103_083414.jpg

IMG_20191103_083537.jpg

 

08
Nov19

Empedrado para dar e vender e a ilusão de que é simples


João Silva

IMG_20191103_141233.jpg

O percurso não mudou. Aliás, acho que não muda e foi curioso perceber, antes da prova, que, afinal, não me lembrava de tudo. Ainda bem, porque assim não deu tempo para grandes projeções.

Parece um percurso linear, mas tem algumas "armadilhas" espalhadas. A primeira está logo relacionada com o facto de se correr num espaço com tanta gente.

A segunda está nas viragens em determinadas alturas do percurso.

A terceira prende-se com falsas retas na zona de Matosinhos, na saída da Ribeira e na falsa reta final, composta por 3/4 km e com uma subida algo dura no final.

A maior dificuldade de todas residiu no empedrado. Sentir a calçada toda debaixo dos pés em Gaia e na zona seguinte à ribeira é muito complicado e só isso justifica que tantos corredores se afastassem da zona central da estrada.

Por tudo isto, ainda assim, recomendo claramente esta prova.

O Porto tem um encanto diferente e correr com pessoas a berrar o nosso nome é indescritível.
Leva-nos em pontas.
Fiz questão de agradecer a cada pessoa que me incentivou. Foi o mínimo que pude fazer para retribuir tudo o que me deram.

Screenshot_20191103_131150_com.mylaps.eventapp.mar

Screenshot_20191103_130923_com.mylaps.eventapp.mar

 

07
Nov19

Organização praticamente imaculada


João Silva

Não admira, não andam nisto há dois dias e têm uma dimensão internacional que não lhes dá grande margem de manobra para falhar.
Houve algumas críticas ao facto de não ser possível levantar dorsais no dia, mas já imaginaram isso numa prova com, pelo menos, 15 mil pessoas? Podia dar confusão.

Logisticamente, é complicado para quem não vive no Porto, mas, neste capítulo, gostaria de deixar uma sugestão: poderem enviar dorsais e kits pelos CTT a troco de um dado valor, sendo que, dada a dimensão da prova, podia ser acordado um valor simpático. Claro, com um período limitado.

De resto, tudo em conformidade: muito apoio "contratado" com música e animação nas ruas, bons abastecimentos e devidamente espalhados a cada 5 km a partir de determinada altura. Esponjas, isotónicos e fruta em boas quantidades. Tirando meia banana no fim, não usei mais nada dos restantes mencionados, mas foi muito importante para outros atletas.

IMG_20191103_122719.jpg

IMG_20191103_122659.jpg

 

Medalha espetacular, camisola inicial mais bonita que a do ano passado e a de finisher também era jeitosa, de mangas compridas, embora o material não pareça tão bom quanto o do ano passado.

IMG_20191103_083512.jpg

No fim, a nota é claramente positiva e só tenho pena de não ter conseguido visitar a feira antes da prova. Graças ao Nelson, que lá foi, ainda tive direito a umas belas meias da Joma.

Nota ainda para as melhorias que fizeram na zona dos bengaleiros e no circuito final da entrega das medalhas, mas o facto de não ter chovido também ajudou.

 

IMG_20191103_122606.jpg

06
Nov19

O Porto foi mágico para mim


João Silva

IMG_20191103_122512.jpg

O Porto não me desilude e este ano até me deixou ser mais feliz do que no ano anterior.
Antes da maratona desta semana, vinha com ideias de fazer 3h30, ou seja, menos 3 minutos do que em 2018.

IMG_20191103_124112.jpg

 

E sabem que mais? Saí do Porto com um novo recorde pessoal em maratonas: terminei a prova com 3h21m22s!!!!!!!

Caramba. Nem em sonhos podia pedir isso!!!

Nem me atrevo a ir ao cliché do sacrifício, do tempo investido, da dedicação, e da recompensa de tudo isso. Está implícito!!!!

Em termos de gestão, foi francamente perfeita.

Screenshot_20191103_131050_com.mylaps.eventapp.mar

 

Comecei encaixado no setor das 3h30 e aí achei que ia num bom ritmo. Canelite esquerda e ancas a quererem interferir, mas nada disso foi impeditivo.

Depois disso, com o passar do tempo, sempre fresco, cheguei-me ao grupo das 3h15.

Estava endiabrado, o "gajo".

Confesso que tive medo de depois pagar a fatura mais tarde: numa maratona com 12,800 km ao fim de 56 minutos? Sacana.

IMG_20191103_122659.jpg

 

Mas correu tudo bem. A minha preocupação foi sempre não esticar demasiado para não sofrer no fim.

Perto dos 27 km, houve uma fase de ligeira quebra, o único momento em que senti que podia ter alguns problemas. Fechei os olhos, lembrei-me do que de melhor tenho na minha vida, deixei sair as lágrimas certas e ganhei ânimo.

A partir dos 30 km, em nova viragem, comecei a sentir a sério que conseguiria um tempo excelente.

Os incentivos destas pessoas, também elas "puxadas" por mim, levaram-me em pontas até à meta.

Houve tempo para gritar como mandam as regras e para deixar sair tudo.

Nota para os timings perfeitos de abastecimentos sólidos: a cada hora até às 2h e depois um às 2h30. Mais tarde, "atrevi-me" a meia banana aos 41 km para dar aquele puxão final. Os líquidos foram sempre ingeridos a uma média de 15 minutos. Abençoada mochila oferecida pelos cunhados.

Foi mágico, não consigo pôr de outra maneira.

Mais um dia em que senti amadurecimento na pele. Mais um dia de crescimento. Mais um dia feliz.
Palavra final para os meus colegas da Venda e os outros, também eles, "especiais".

IMG_20191103_083537.jpg

Começando pela Venda: a Vera e o Nelson estrearam-se nestas andanças. Muitos parabéns. Sem desprimor do Nelson, que esteve excelente face ao pouco volume de treino, a Vera voou e cavalgou praticamente até aos 34 ou 35 km. Depois teve uma ligeira quebra, mas acabou com um fantástico tempo de 3h27m. A Sara, mais uma vez, fez uma excelente prova, embora tenha acabado com dores. Diz que não faz mais nenhuma, mas acho que vai fazer de certeza.

Uma palavra de força e incentivo para o meu bom amigo Ricardo, com quem parti e que prometia muito, estava numa forma brutal, mas não passou bem e terminou em dificuldades.

Encontrei o bravo João Lima antes da prova. Estava muito nervoso, mas vi-o durante a prova e estava rijo como mandam as regras. Um prazer vê-lo.

Tempo ainda para um grande abraço ao Fábio Fernandes e uma menção de "saudade" em relação ao meu caro José Carlos. Foi tão bom receber a chamada dele. Caramba, senti tanto a falta dele que o confundi com outra pessoa na prova.

 

05
Nov19

Porque todo o durante tem um antes


João Silva

 

IMG_20191103_062206.jpg

 

Antes de vos "presentear" com a minha análise do percurso, decidi partilhar uma espécie de sinopse da viagem.

Só falarei nos tempos e no desempenho nos próximos dias.

O que fazia uma data de malucos junto ao cemitério de Taveiro às 06 da manhã?
Tão simples como isto: preparava-se para arrancar rumo ao Porto.

É sempre uma aventura e uma certa incerteza, que belo paradoxo, ir no próprio dia, mas a logística destas coisas é sempre complicada.
Seja como for, depois de uma semana em que o nervosismo esteve a brincar às eecondidas comigo, aparecendo a espaços sob a forma de irritabilidades, consegui descansar bem.

IMG_20191103_074610.jpg

 

Quando me deitei, estava tão cansado que nem sofri de ansiedade. Não acordei durante a noite e dormi muito bem. Levantei-me com a vontade de fazer "magia", o que é sempre um excelente indício.

 

IMG_20191103_083537.jpg

 

Este ano, pela primeira vez, sem a companhia da minha esposa e técnica, o sabor ao deixar a casa foi diferente. Por outro lado, temos um projeto em mãos, o maior das nossas vidas, que vai durar mais 7 meses a ganhar pernas, pelo que era mais seguro ela ficar no sossego.

Retomando a prova propriamente dita, esperava-nos uma manhã de chuva abundante. E de vento "sempre apetitoso".

Chegámos bem e com tempo, como eu gosto, para poder aquecer em condições e num local recatado.

Por sorte, ficámos exatamente no mesmo local do ano anterior, desta feita, com direito a estacionamento privado con WC improvisado.

Ele há sortes e coincidências que deixam antever coisas boas. 

E estas deixaram mesmo.

IMG_20191103_081336.jpg

 

04
Nov19

O que é ser maratonista?


João Silva

 

Screenshot_20190910_215444_com.facebook.katana.jpg

Começo com um cliché: só quem passa por elas é que sabe.

Agora mais a sério, é difícil explicar os sentimentos e acho que, antes de mais, ser um maratonista é sentir, mesmo quando o nosso corpo deixa de o fazer, mesmo quando já passámos para lá do inteligível.

Antes de mais, não acho que seja algo inacessável ao comum dos mortais, por outro lado, considero que nem todos estão dispostos a embarcar na viagem que é a preparação.

FB_IMG_1556560464579.jpg

Tudo se resume ao momento em que cruzamos aquela linha de meta, mas essa é tão somente a conclusão. É, precisamente, o fechar de um ciclo que teve de ser iniciado alguns meses antes e que assentou muito na disciplina, seja pela necessidade de meter quilómetros na perna, seja pela urgência em criar mecanismos de gestão, de antecipação das dificuldades e de defesa para fazer face às dores e ao sofrimento em que a corrida se transforma.

Meio a sério meio a brincar, diz-se que uma maratona começa a sério aos 30 km. Por tudo o que se passa naqueles "desgraçados" 12 km, diria que é mesmo assim, que uma viagem tranquila e agradável de 30 km se pode tornar, "de repente", num pesadelo físico e mental.

FB_IMG_1556560496566.jpg

A disciplina que o treino requer e que nos impede de fazer "desvios", a gestão para determinar ritmos, para fazer face aos nossos gastos energéticos e à ingestão de alimentos, o foco em não deixar fugir aquela ideia de que se vai conseguir superar o obstáculo, a imaginação e o jogo de cintura para se adaptar às vicissitudes da corrida, a responsabilidade de cumprir o compromisso, as competências técnicas para correr "bem" e para superar o cansaço, o sofrimento e força mental para suportar a violência da prova.

Todos estes são traços que, no meu entender, marcam a personalidade do maratonista, sendo que, além disso, são características que nos devem acompanhar na nossa vida "normal".

FB_IMG_1556577691800.jpg

Olhando para trás, não me vejo a ser outra coisa que não maratonista, porque consigo encontrar pontos comuns entre o João corredor e o João pessoa "normal".

Quem já fez a prova, e eu já tive a felicidade de fazer três oficiais e três em treinos, sabe que tudo se resume à superação. É impossível pensar que se faz com uma perna às costas, porque a dureza derrota-nos de imediato.

Respeito muito a distância, talvez até de mais, porque, de cada vez que a faço, é como se me transformasse, como se excedesse o João "normal" e fosse para lá de mim.

Não é fácil (nem lógico) considerar uma maratona uma zona de conforto. No entanto, é precisamente isso que sinto. Consegui transformar aquele sofrimento e aquela superação a que muitos só se querem submeter uma vez na vida em algo contínuo, num "evento" que marca o meu renascimento, que me mostra que é possível e não há impossíveis. Requer persistência? Sem dúvida. É exigente? Não consigo encontrar melhor forma de descrever a prova. Porém, apesar de tudo, é um desafio que não se resume a um dia, começa muito antes e acompanha-nos dia e noite durante meses a fio. Talvez por isso goste de fazer "apenas" uma a duas por ano, porque me permite esboçar um plano e fazer tudo para o cumprir.

No fim de contas, ser maratonista é ser meticuloso e metódico, sem nunca esquecer uma dose saudável de loucura para fazer acontecer. Por conseguinte, olhando para as pessoas por trás dos maratonistas, diria, não desfazendo de ninguém, que têm um atestado de competência, que revelam responsabilidade e capacidade para passar "além da dor" e para concretizar. Tudo isto, traços relevantes em qualquer sociedade.

 

 

03
Nov19

A prova, the one and only


João Silva

A 04 de novembro de 2018, o desfecho foi maravilhoso, como se pode ver por estas duas fotos abaixo:

received_2009092635809989.jpeg

IMG_20181104_123954.jpg

Um dia de chuva copiosa em que tudo foi perfeito. Alinhou-se tudo e ainda me lembro que parecia uma criança, em parte assustada, quando me vi no meio de tanta gente com a minha loucura. Apesar de ter sido apenas a primeira edição, a maratona de Aveiro, realizada em abril de 2019, em nada se pode comparar com a dimensão internacional que a maratona do Porto tem.

Aliás, para cada zona que se olhe, na Invicta respira-se apoio incondicional, alegria e um povo que nos leva em bicos dos pés até à meta. E, além de tudo isto, estas duas maratonas que já fazem parte do meu currículo não podiam ter apresentado climas mais distintos: chuva no Porto, calor tórrido em Aveiro.

received_315007259175609.jpeg

P_20190428_122450.jpg

O meu momento de forma em novembro era muito superior àquele com que me apresentei em Aveiro. No entanto, não se trata de comparar, porque não há forma justa de o fazer.

Trata-se, ao invés, de afirmar que os meus objetivos para o dia de hoje são, em primeiro lugar, terminar bem de saúde (vivo, como costumo dizer). Por muito "pobre" que seja, trata-se de um objetivo relevante, tal é a dureza de uma prova deste género.

Numa segunda fase, conquistado o primeiro objetivo, irei à procura de fazer menos de 03h33m37s, tempo com que terminei no ano passado. O meu propósito passa por colocar o cronómetro abaixo das 03h30.

Em termos de treinos, sei que fiz mais sesões técmicas este ano do que no ano passado e também tenho noção de que os meus conhecimentos aumentaram, mas isso não me garante nada e tudo se vai resumir à capacidade que terei para não me empolgar com o que fiz nos treinos. Porquê? Porque essa adrenalina e excitação iniciais acabam por se pagar muito caro numa fase mais adiantada do trajeto. Ainda me lembro do medo que senti ao ver pessoas a cair e já nas bermas a receber assistência depois dos 30 km. Modéstia à parte e sem saber o que esses atletas (não) fizeram em termos de preparação, sei que tomo muitos cuidados e que me defendo bem, mas isso pode não chegar.

Igualmente importante é abastecer bem e não esquecer o lado sólido que tantos "problemas" me causou nos treinos de longões.

Por fim e muito mais fundamental do que tudo isto, oxalá volte a viver uma simbiose perfeita com a multidão, Sou um "animal" social e adoro sentir o calor e os incentivos das pessoas. Preciso disso como de água para não desidratar durante uma corrida. O público do Porto é maravilhoso.

IMG_20190428_124413.jpg

20181104_131128.jpg

 

02
Nov19

Nomeação para blogue desporto do Sapo em 2019


João Silva

Screenshot_20191102_154923_com.android.chrome.jpg

 

Boa tarde a todos,

Há momentos que justificam a nossa "intervenção". Este é um deles.

Este blogue está nomeado como um dos cinco finalistas na categoria de desporto. Trata-se da distinção Blog Sapo do Ano.

Portanto, em primeiro lugar, gostava de contar com o vosso voto, pelo que vos convido a passar em 

https://saposdoano.blogs.sapo.pt/vamos-a-votacao-final-34370

 

De seguida, não menos importante, muito obrigado a todos os que tornaram isto possível, porque, valha a verdade, foi graças à vossa aceitação que o destaque pôde ser feito. 

Obrigado por, de alguma forma, se reverem no que aqui vos trago.

Obrigado também aos bloggers desta "casa", uma das razões (talvez, a mais forte) para ter sido nomeado.

As votações estão abertas até 28 de novembro.

Muito obrigado a todos pela simpatia e carinho. 

Um bem haja! 

02
Nov19

Um livro que transmite um sonho


João Silva

Meus caros e estimados, 

o livro que vos apresento abaixo é da minha autoria e foi escrito na sequência da minha primeira maratona no Porto no ano passado.

Foi publicado em formato digital em abril deste ano e transmite todos os meus pensamentos, bem como a forma como me fui preparando para um dos momentos mais emblemáticos da minha vida.

A um dia de mais uma grande aventura, a terceira maratona, faz todo o sentido trazer-vos aqui a obra que reflete todos os métodos que segui, bem como a minha ideia sobre o que é o treino e como se prepara uma prova desta envergadura.

Espero que tenham tanto prazer a lê-lo quanto tive a escrevê-lo.

O livro pode ser adquirido aqui:

https://www.leyaonline.com/pt/livros/turismo-e-lazer/desporto/o-que-nao-mata-engorda-e-transforma-te-num-maratonista-ebook/

Aqui:

https://www.wook.pt/ebook/o-que-nao-mata-engorda-e-transforma-te-num-maratonista-joao-silva/23009649

Ou aqui:

https://www.bertrand.pt/ebook/o-que-nao-mata-engorda-e-transforma-te-num-maratonista-joao-silva/23009649

IMG_20190406_153311_776.jpg

 

01
Nov19

1, 2, 3, uma entrevista de cada vez


João Silva

IMG_20181118_113035.jpg

Foto: Chegada à meta na Corrida 4 estações Venda da Luísa em novembro de 2018

Não desfazendo de ninguém, porque não é, de todo, o caso, a pessoa que vos apresento hoje é um verdadeiro exemplo, um "monstro" incansável de correr que, tal como eu, adora correr muito e sem destino. Conheci-o pouco tempo antes de fazer a minha primeira maratona, mas due para perceber que o ia venerar, não pelos títulos, isso pouco ou nada lhe interessa, mas pela pessoa que é e pelos conhecimentos que guarda dentro de si.

Ter feito aquela primeira prova mágica na sua companhia, aliás, desfrutando da sua boleia também, foi uma espécie de "benção". Não vos consigo transmitir com fiabilidade aquilo que sinto de cada vez que o ouço dizer que tenho "garra". Foi a pessoa que mais boleias me deu em tão curto espaço de tempo, nunca treinei com ele, o que é uma pena, mas tenho muito respeito por tudo o que correu e por tudo o que suportou em termos de saúde para ser admirado por todos. Na nossa equipa, ARCD Venda da Luísa, é conhecido por "The Special One". Porque acham que é?

A humildade não se finge. Ou se tem ou não. Ele tem na dose suficiente para perceber também que é um bravo.

O meu objetivo era dar a conhecer a sua história a poucos dias de mais uma maratona no Porto. Infelizmente, não estará presente, o que, sendo sincero, me deixou muito triste no momento em que me explicou por que razão afinal não poderia ir. Sinto que temos uma espécie de "clã", porque tanto ele como eu estamos sempre a tentar puxar mais colegas para correrem aquela distância mítica. O José já conseguiu "prender" o sobrinho Fernando, um porreiraço sempre bem disposto, e o Fábio, seu afilhado e um tipo bem às direitas. Já nem vale a pena dizer que o seu filho mais novo, que é andebolista, também já foi "pescado" para estas andanças.

Portanto, peço-vos que leiam abaixo quem é este homem que já leva 86 provas de fundo no currículo, entre maratonas e ultramaratonas. Apesar de não poder contar com a sua presença no Porto, é uma forma de o homenagear. Estão a ver aquele avô que se senta junto aos netos para lhes contar histórias do tipo "no meu tempo"? Nunca me canso de o ouvir. São tantas as aventuras que não há repetição possível.

IMG_20181021_125754.jpg

Foto: Final da EDP meia maratona de Coimbra em outubro de 2018

  • Nome

José Carlos Fernandes

  • Idade

55 anos

  • Equipa

Até 2009 - Clube de Veteranos de Viseu
Até 2017 - Abutres Running Team
Atual - ARCD Venda da Luísa

  • Praticante de atletismo desde

Não tenho ideia mas sei que é desde muito cedo, talvez desde o secundário. Lembro-me de ir para o Fontelo em Viseu e correr com miúdos que treinavam com treinador para as Paraolimpíadas. Fazíamos perto de meia hora no sobe e desce do Fontelo e corríamos que nos fartávamos. O treinador deles deixava-me ir com eles para fora do estádio, pois queria que desfrutassem da sensação de correr à vontade sem circuito e cronómetro. Antes de ir para a tropa, fui Oficial Paraquedista e aí já gostava de sair de casa aos domingos de manhã e fazer umas voltas com cerca de 25 km.

 

  • Modalidade de atletismo preferida

 

Corrida em estrada, montanha ou serra. Para mim, a corrida de fundo e meio fundo é a modalidade que melhor permite relaxar e refletir sobre tudo e mais alguma coisa sem qualquer stress.

 

  • Prefere curtas ou longas distâncias

Longas. Sem dúvida, porque prolonga o prazer da corrida e permite descansar o espírito. As longas permitem-nos também "desfrutar da viagem", "andar por lá", como dizia uma amiga minha também corredora por prazer. Sejam provas ou treinos longos, gosto de "andar por lá" e o tempo que por lá andamos permite-nos conhecer, ajudar, transmitir as nossas vivências e conhecimentos e absorver também conhecimentos de outros. Todos os dias aprendemos, seja connosco próprios, seja com os outros amigos.

  • Na atual equipa desde fevereiro 2017

Precisamente na prova dos 111 km do trail de Sicó com 4 grandes atletas da ARCD Venda da Luísa (o Marco Oliveira, a Célia Santos, o Carlos Canais e o Rui Mateus), que, com um enorme espírito de sacrifício e força de vontade, em quase 5 meses resolveram dar o salto de provas com cerca de 30 km para os 111 km na Serra do Sicó.

  • Volume de treinos por semana

3 a 4 por semana

53527685_967168696806676_3755206833082466304_n.jpg

Foto: Trail do Infante em Penela

  • Importância dos treinos

A importância depende dos objetivos e do atleta. Não tenho como objetivo o pódio e corro por prazer, por esse motivo, para mim os treinos são importantes porque posso desfrutar mais quando corro.
É mais do que óbvio que são importantes para chegar aos resultados pretendidos, mas também é verdade que conheço pessoas que correm e não vão às provas, por isso os treinos são importantes, no meu entender, para nos manter ativos e apaixonados pelo prazer da corrida e para continuarmos a conhecer e a desafiar de forma sustentável, claro, o nosso corpo.

60592448_10156983040601675_7622918474762813440_n.j

Foto: Trail de Alcabideque, Castellum trail 2019

  • Se tem ou não treinador

Não tenho treinador. A conjugação dos objetivos pessoais com disponibilidade pessoal e familiar não é compatível com a existência de um treinador, seja ele presencial, seja sob forma de "treinador por correspondência" como está muito em voga hoje em dia.
Considero, no entanto, que tanto um tipo de treinador como outro trazem uma grande mais-valia a médio e longo prazo quando o atleta tem ambições que sem ajuda (do seu ponto de vista) possam ser mais difíceis de alcançar.
IMG_20181104_081425.jpg

Foto: Momentos que antecederam a maratona do Porto em novembro de 2018

  • Aventura marcante

Há muitas aventuras marcantes. Mencionar apenas uma seria de uma ingratidão enorme.
Os Caminhos do Tejo em 2010 foram espetaculares pela convivência durante a prova e pela organização única até ao momento.
Os 101 km de Ronda em 2012: desde o levantar de madrugada para não falhar a inscrição da equipa de 5, onde se incluíram os meus amigos Fernando Fonseca e Ico Bossa, passando pela sopa de ovo organizada pelo Ico, até aos "motoristas particulares" que durante a prova nos brindaram com uma caneca de cevada líquida super fresca.
Os 100 km de Mérida em 2010 como primeira prova de 3 dígitos, onde devido à desistência de última hora do Fernando Pinto, tive de fazer sozinho a viagem de 5 horas, fazer a prova durante a noite e voltar sozinho, não sem antes, depois de sair de Mérida, parar para dormir 25 minutos.
O UTAX (Ultra Trail Aldeias do Xisto), como atleta, com o meu amigo e futuro coorganizador João Lamas e mais tarde, como vassoura, com o meu afilhado Fábio Fernandes, pelo companheirismo vivido durante tantas horas na Serra da Lousã.

A que realmente definiu um marco na minha vida no mundo da corrida, foi sem dúvida a Estafeta Porto-Lisboa em 2006 (se a memória não me falha, sem consultar os meus registos) e onde, pela primeira vez fiz perto de 70 km. Na altura o Clube do Stress, organização responsável pela prova, tinha bons atletas com muita experiência em grandes distâncias a marcar o ritmo da Estafeta, o que me permitiu perceber que estava mais do que pronto para dar o salto da Maratona para as Ultras.
No ano seguinte inscrevi-me na segunda edição da Serra da Freita e fiquei fã incondicional do Ultra trail.
Já conhecia o Trail praticado no Cross da Laminha e quadruplicar a distância do Vítor Ferreira era, no mínimo, quadruplicar o prazer de desfrutar da corrida, ainda mais numa Serra com a beleza da da Freita.
IMG_20181118_113217.jpg

Foto: Com o amigo Rui Monteiro no final das 4 estações na Venda da Luísa em novembro de 2018

  • Participação em prova mais longa

Caminhos do Tejo em 2008 com partida em Ponte de Lima e 2009 com partida em Vila Praia de Âncora com perto de 160 km, no entanto, foi em 5 etapas.
De 2010 a 2015, fiz os Caminhos do Tejo, de Lisboa Oriente a Fátima. A primeira vez penso que tinha cerca 146 km, mais km menos km.

  • Objetivos pessoais futuros


Não tenho objetivos. Pretendo sim continuar a correr como, quando e onde poder e, se possível, ajudando outros atletas a adquirir o prazer de correr de forma sustentável e apoiá-los, seja treinando com eles, seja a acompanhá-los no salto para as distâncias que possam ter como seus objetivos futuros.
P_20190511_210757.jpg

Foto: Comigo no final das 4 estações em Condeixa em maio de 2019

  • Como vê o atletismo daqui a 5 anos

É complicado prever o atletismo daqui a 5 anos. Houve uma fase em que apenas quem estava por dentro é que sabia das provas. O público em geral tinha alguma dificuldade, por não saber antecipadamente em se inscrever. Predominavam as meias maratonas míticas com a Meia Maratona de Ovar, Marinha Grande, Viseu, Nazaré. Nas provas locais predominavam as do Inatel e das coletividades locais. O custo  com policiamento e o cada vez menor apoio dos municípios e entidades particulares fez a primeira filtragem e desapareceram, na altura, algumas meias maratonas e muitas provas abaixo dos 15.
O BTT estava em alta e nas grandes superfícies comerciais de material de desporto só se via material de BTT e pouco de corrida. Nessa altura, corria-se maioritariamente com equipamento de estrada.
O aumento de provas fora de estrada trouxe maior sustentabilidade financeira á modalidade, e a partir de certa altura começou a notar-se um êxodo do BTT para o Trail. Muitos até acumulam estas duas modalidades.

MUT 2018.jpg

Foto: MUT em 2018


De há cerca de 10 anos pra cá, a divulgação das provas começa a chegar cada mais e melhor ao grande público. O incremento de percursos alternativos mais curtos e de caminhadas faz com que quem caminhou num ano volte lá no ano seguinte para correr.
Estamos numa fase caracterizada por uma grande proliferação de provas de atletismo. Algumas organizações com qualidade outras nem tanto. Algumas com intenção de continuidade, outras com intenção de ato isolado. Umas com um calendário já adotado pelos aficionados outras que não conseguiram ainda definir a sua própria identidade e dessa forma marcar posição.
Cada vez mais o atletismo amador está dependente da iniciativa de amantes da corrida, do trabalho no terreno, das horas que dão em prol dos outros.
A participação das autarquias locais, municípios, juntas de freguesia, associações locais é um fator determinante na sustentabilidade e continuidade do atletismo como o conhecemos atualmente.
Com tanta prova pelo país já não há muita desculpa para aquele pessoal mais sedentário não sair do sofá, isto porque a corrida vai até eles.

  • Como se vê no atletismo daqui a 5 anos

Espero ver-me com os mesmos objetivos que tenho atualmente. Sem tirar nem pôr, aliás, para daqui a 20 são os mesmos.

P_20190428_082516.jpg

Foto: Momentos antes da partida da maratona de Aveiro em abril de 2019 com o afilhado Fábio Fernandes, com o sobrinho Fernando Morgado e comigo

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Redes sociais

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D