Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
15
Ago19

Eu bem queria correr para fugir mas era pior


João Silva

Como poderão ver na imagem, o medo acompanhou-me.

Esta é mais uma daquelas histórias curiosas. 

Primeiro, devo confessar a bela loucura que foi decidir ir correr perto de 35 km debaixo de 40 graus em agosto do ano passado.

É verdade que saí de casa às 05h50, mas não foi suficiente para fugir ao calor. Nem as duas garrafas de água que levei na mochila ajudaram. Se tivesse pensado nisso, teriam sido maravilhosas para usar num belo caldo quentinho.

Todavia, a história em si não foi essa. 

O percurso levava-me de Condeixa a Soure. Belo trajeto, pensara eu, repleto de sobe e desce, mas sem perigos de maior. Uma vez mais, pensava eu.

Logo ao fim de dois quilómetros, na passagem por São Fipo, vejo um pastor alemão solto a soltar o muro da casa onde habitava. 

Não havia carros a passar na Nacional 342 para safar. E, sendo sincero, nem o dono, que estava a regar o quintal, se preocupou muito com os avanços do seu cão.

A minha sorte foi ter parado imediatamente. O cão ficou a uns três ou quatro metros, parou de ladrar e lá voltou para o seu pouso.

Não refeito do susto, chego a Soure, sempre com aquele episódio no pensamento.

Dou a volta no sítio previsto e, no regresso, junto ao Intermarché local, avisto dois cães, cuja raça não consegui descortinar mas que em nada ficavam a dever ao pastor alemão que vira na ida.

Sou ateu, mas "rezei" para que não me vissem. Eles deviam estar chateados um com o outro, porque ladravam muito entre si e estavam-se a preparar para se atacar. 

Entre um cão e o seu amigo cão não se mete o dedão e não quis ser rude. Deixei-os a discutir, passei de fininho, sempre com a parvoíce de o fazer a correr e lá me safei.

Acho que foi mesmo o dia em que me cruzei com mais cães soltos. Pelo menos, com mais cães daquela envergadura. Envergonhavam a minha altura.

Já em casa, estava tão irritado que só me apetecia chamar as autoridades, mas lá me acalmei e não fiz nada.

Que sirva de lição...para os cães, para os donos ou, o mais provável, para mim.

IMG_20180623_104346.jpg

 

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub