Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
22
Jul19

Identificação de erros que levaram ao episódio de sábado


João Silva

Screenshot_20190720_110834_com.runtastic.android.j

 

A reflexão foi feita. Não podia ter sido de outra maneira.

Aliás, tenho a tendência (mania?) para antecipar as coisas e já antes de parar sabia que o ia fazer antes do fim do treino. Na verdade, subi de propósito a estrada que liga a Rapoila a Palhagões e, uns metros mais à frente, quando atingi os 34 km, parei. Depois disso, fiz 1h30 a pé, em modo caminhada para chegar a casa.

Quanto aos fatores que levaram ao episódio inédito na forma:

  • ritmo demasiado alto desde o início. Os dados positivos que tinha recebido nas últimas semanas confirmaram-se novamente e agora o "tabuleiro virou" e começa a ser difícil para mim ir a um ritmo inferior a 5'00/km em vez dos recomendáveis 6'00/km num treino/prova desta envergadura;
  • muito pouco descanso na noite anterior. Na verdade, não dormi nada bem e dormi pouco;
  • semana muito intensa e dura na carga de treinos acabou por pesar a partir das 02h30;
  • nervosismo inicial que se transformou em pensamentos negativos desde o 1.º km;
  • abastecimento desadequado. Falarei disto nos próximos dias, mas não adianta inventar, tenho de usar as gelatinas da Decathlon. De tudo até agora, foi o que melhor resultou;
  • ter querido mais do que poderia dar a partir de determinada altura;
  • saída de casa tardia e treino debaixo de muito sol;
  • má temporização da ingestão de água e da quantidade ingerida a partir das 02h00 de treino;
  • escolha desadequada do percurso, pois escolhi partes muito pesadas (muito planas e depois inclinações fortes para o final);
  • não ter ouvido o meu "pressentimento" quando me pareceu melhor parar às 02h00 de treino.

É verdade que a lista até tem um tamanho considerável, mas também houve muita coisa positiva a retirar do treino e em nada belisquei a minha resiliência e a minha força de vontade. Saber parar e quando parar também é um sinal positivo e de crescimento.

Venha de lá o próximo longão.

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub