Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
17
Mai19

As companheiras das grandes distâncias


João Silva

IMG_20190430_195630.jpg

IMG_20190430_195531.jpg

Na altura da primeira maratona, ficou decidido cá em casa que teríamos de encontrar umas sapatilhas apropriadas para correr uma maratona.

Fomos à minha "candy store" Decathlon e foi mesmo uma festa: uma gama interminável, mas poucas se adequavam ao que pretendia: bom amortecimento, leveza, boa respiração e rasto não escorregadio.

Dentro da gama que pretendíamos e podíamos gastar, encontrámos as Kalenji Kiprun Race. Fiquei logo enamorado pela estética, um aspeto com o qual não estava a contar. Aquela mistura de cores combina com a maioria dos equipamentos. Mas, honestamente, esse é o aspeto menos relevante numa escolha tão importante.

Tem um amortecimento "mole", ou seja, dá ideia de apresentar uma espuma que se adapta ao impacto no solo, evitando "choques" duros com o asfalto. De acordo com a Decathlon, apresenta um drop de 10 mm. Isto é: mais alto atrás do que à frente.

Em termos de impulso, utilizam um sistema Up'Bar, uma resina TPU com espuma EVA para conferir uma elevação "natural", sem durezas.

São muito leves (a marca fala em 203 g no tamanho 43, que é o meu). A língua é muito fina, o que, por um lado, não provoca fricção na parte superior do pé e, por outro, permite um contacto mais direto com os atacadores.

Na minha opinião, o cumprimento limitado dos atacadores levanta alguns problemas para ter as sapatilhas bem adaptadas ao pé.

De resto, o rasto é perfeito para estrada, apresenta algumas rugosidades, aumentando a aderência.

Pela minha experiência com outras gamas Kalenji, a aderência a pisos molhados é sempre mais complexa. Apesar disso, francamente, com estas nunca tive esse problema, nem mesmo em zonas empedradas.

A marca aponta-as como ideais para atletas rápidos que, por exemplo, façam 02h40 numa maratona.

Não é o meu caso. Ainda estarei longe (mas não me importava nada de apresentar esse tempo), considero-as perfeitas para uma gama média de preços e para que pretende correr "sem destino" provas de longa distância. O facto de serem muito leves ajuda imenso quando cansaço começa a atacar.

E desse lado, quem as tem? O que acham delas?

 

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub