Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

Em 2016 era obeso, hoje sou maratonista (6 oficiais e quase 20 meias-maratonas). A viagem segue agora com muita dedicação, meditação, foco e crença na partilha das histórias e do conhecimeto na corrida.

O que não mata, engorda e transforma-te num maratonista

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub
01
Mai19

Mais vale só do que (bem) acompanhado?


João Silva

Qual é a vossa opinião sobre os treinos?

Costumam correr sozinhos ou acompanhados?

Eu sou essencialmente um "ser solitário". Já não é de agora e nem se reflete apenas na corrida. Neste último caso, pertenço à equipa da ARCD Venda da Luísa e nem assim cultivo o hábito de treinar coletivamente.

Aplicam-se os velhos clichés "não é por mal" e "não são vocês sou eu".

Não corro acompanhado por, eventualmente, ter a presunção de que aprendo mais comigo próprio. Na verdade, antes de mais, começa logo pelo facto de treinar ao início da manhã. Os "candidatos" não são muitos para esse período horário.

Além disso, outro aspeto muito importante é o facto de já ter um plano predefinido com as distâncias, o tipo de treino, o percurso e o objetivo de cada treino. Dessa forma, acabo por não ter espaço para "inclusões". Por vezes, gostava de dotar o meu treino de uma maior flexibilidade, de forma a poder integrar "improvisos", sobretudo, ao nível da companhia. Por outro lado, a existência de um plano, incluindo os exercícios de reforço muscular, permitem-me manter o foco no que é relevante e ajudam-me a garantir disciplina de treino.

Desde que comecei a correr de forma continuada que devo ter realizado uns dois ou três treinos com um amigo de longa data, o Filipe Coelho (na foto abaixo) e membro da equipa "Os gatinhos assanhados".

IMG_20170128_114312.jpg

Apesar de correr sozinho e de não ter quaisquer problemas motivacionais para o fazer, correr acompanhado por um amigo ou por elementos da própria equipa ajuda-nos a evoluir.

Começa na partilha de uma paixão por aquele desporto e termina na competição saudável que nos faz evoluir na forma de corrida, na velocidade, no ritmo ou na resistência. Além disso, tem outras vantagens: a troca de conhecimentos e de experiências ajuda a antecipar problemas na preparação para determinadas provas e a adquirir equipamento de corrida mais adequado.

Last but not least, as ligações afetivas e o companheirismo que se geram nesse tipo de treino são mais do que compensatórias.

É algo que recomendo, mesmo não o fazendo. Até porque é algo em que tenciono "investir" nos próximos tempos, como uma forma de me fazer evoluir.

Mas, para isso, preciso de me dotar de maior flexibilidade...

Work in progress...

Redes sociais

Palmarés da minha vida

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Baú de corridas no blogue

Em destaque no SAPO Blogs
pub